Suspeito de assaltar salão de beleza pula em valão para fugir da polícia, mas acaba detido

Segundo o dono do estabelecimento, antes de cometer o crime, o suspeito chegou a ir até o local e perguntou sobre um corte de cabelo

Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um homem foi detido nesta sexta-feira (04) suspeito de assaltar o dono de um salão de beleza no bairro Jardim Marilândia, em Vila Velha. Ao tentar fugir da abordagem policial, o suspeito, identificado como Márcio Vieira Toia, de 34 anos, pulou em um valão. No entanto, a estratégia não deu certo e Márcio acabou detido e levado para a delegacia.

Segundo a polícia, o suspeito entrou no salão e abordou o dono do estabelecimento. "Ele adentrou o local com a mão enrolada na camisa, como se estivesse armado. E, usando meios agressivos, partiu para cima do proprietário do salão pedindo dinheiro e celular. Uma senhora que estava lá dentro, acompanhada de uma criança, ajudou o dono do local e os dois entraram em luta corporal contra o cidadão, mas ele conseguiu fugir com celular e outros pertences", explica o sargento Nogueira, responsável pela ocorrência. 

A polícia foi acionada e o assaltante foi localizado ainda na região. "Quando ele avisou a viatura, pulou um muro de mais de dois metros de altura, jogando uma sacola para o outro lado. Meu parceiro pulou atrás dele, e o cidadão pulou no valão que cercava a área, para tentar fugir pelo outro lado, mas eu já estava lá e cercamos ele. Meu parceiro ficou de um lado e eu com a viatura, de outro", disse. 

Segundo o proprietário do salão, o suspeito agiu sozinho e, antes do crime, foi até o salão perguntando sobre um corte de cabelo. A perseguição chamou a atenção dos moradores, que se aglomeraram no bairro para acompanhar a ação policial. 

O sargento Nogueira afirma que a abordagem foi difícil e que um dos policiais chegou a ficar ferido. "Ele estava muito alterado, muito nervoso, com a mão enrolada na camisa. Não sabíamos se estava armado. Pedíamos para ele levantar as mãos, mas ele não obedecia as ordens da polícia. Deu muito trabalho. Meu companheiro sofreu escoriações na mão quando pulou o muro atrás do suspeito", contou. 

Na delegacia, o suspeito afirmou ser natural de Minas Gerais e que nunca havia sido preso. O delegado vai colher depoimentos do suspeito e da vítima e, só após a conversa, decidirá qual será o destino do homem.