Folha Vitória Variante delta não está circulando no ES; para conter o avanço da pandemia, Estado antecipa D1

Variante delta não está circulando no ES; para conter o avanço da pandemia, Estado antecipa D1

Para frear o avanço da nova variante no Estado, Nésio diz que a aposta é ampliar o acesso à primeira dose dos imunizantes, quando estes estiverem disponíveis.

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Apesar de estar circulando em mais de 111 países ao redor do mundo, segundo a OMS, a variante delta da covid-19 não é predominante no Espírito Santo. A afirmação foi feita pelo secretário estadual de saúde, Nésio Fernandes, durante uma entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (19).

"Até o momento, não há indícios de circulação dessa variante no Espírito Santo. Isso pode mudar com as amostras enviadas para a Fiocruz" disse o secretário. 

Ainda segundo Nésio, é importante deixar claro que, apesar de temida, a criculação de uma nova variante não significa uma nova pandemia. "É importante destacar que a variante Delta não se trata de um novo vírus ou de uma nova pandemia", disse. 

"Não estamos tratando de uma variante que impôs uma nova pandemia, que impôs novas características clínicas nos pacientes, mas de uma variante do coronvírus que será enfrentada com o uso de máscaras, vacinação com a D1 e disciplina da população", copletou Nésio. 

Leia mais: ES vai receber mais de 158 mil doses de vacina contra a covid-19

Primeira dose de vacina contra covid-19 é antecipada no ES para avançar na imunização

De acordo com o secretário estadual de saúde, "todas as variantes de preocupação merecem atenção e vigilância constante por arte das autoridades sanitárias e da população, no entanto, entendemos que algumas abordagens tem sido inadequadas, no que diz respeito ao risco que a variante delta apresenta", disse.

Para frear o avanço da nova variante no Estado, Nésio diz que a aposta é ampliar o acesso à primeira dose dos imunizantes, quando estes estiverem disponíveis.

 "O Estado do Espírito Santo reafirma que iremos avançar na aplicação da D1 e sempre que houver ampla disponibilidade da vacina da Astrazeneca ou da Pfizer, por questões operacionais e por existir um benefício", disse o secretário. 

Nésio explicou que manter doses de vacinas congeladas aguardando o prazo da segunda dose pode atrasar a expectativa de imunizar jovens, adolescentes e até crianças.

"Nós iremos antecipar a primeira dose por questões operacionais, no entanto, não temos a variante Delta como predominante na transmissão comunitária no Estado. A vacinação da D1 com as vacinas da Astrazeneca e da Pfizer alcançam eficácia de mais de 60% e não existe comprovação do escape da variante Delta" afirmou. 

Mais de 45 mil capixabas estão com segunda dose em atraso

Ainda na entrevista coletiva o secretário de sapude reforçou que, apesar de já garantir um bom percentual de imunidade na primeira dose, a segunda dose do imunizante é fundamental. 

No Estado, 45 mil pessoas estão em atraso com a aplicação da vacina da Pfizer e Astrazeneca. “Recebemos mais vacinas esta semana, vamos distribuir imediatamente para os municípios para que eles possam imediatamente realizar a vacinação”, disse o subsecretário estadual de saúde, Luiz Carlos Reblin.

Leia também: Veja as diferenças entre as vacinas contra covid-19 usadas no Brasil

Variante delta está presente em mais de 111 países do mundo

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 111 países enfrentam a presença da variante delta da covid-19. Segundo a líder técnica da resposta à pandemia, Maria Van Kerkhove, esse número pode ser ainda maior, dada a limitação de fazer o sequenciamento do vírus em alguns países. 

"Estamos buscando entender por que a variante delta é mais transmissível", disse Kerkhove. O objetivo, segundo ela, é reunir todas as informações sobre a cepa e estudar se precisarão ser feitas mudanças nas orientações da OMS.

Em dois países, dados sugerem maior risco de hospitalização provocada pela variante delta, segundo Kerkhove. "Não vimos, porém, isso se traduzir em maior gravidade nos casos, nem em mais mortes". 

Últimas