Folha Vitória Vendas no Dia das Crianças devem movimentar R$ 115 milhões no comércio capixaba

Vendas no Dia das Crianças devem movimentar R$ 115 milhões no comércio capixaba

Apesar do bom resultado, esse faturamento é cerca de 5% menor do que o registrado no ano passado para essa data, segundo a CNC

Folha Vitória
Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O Dia das Crianças deverá movimentar cerca de R$ 115 milhões em vendas no comércio capixaba. Apesar do bom resultado, esse faturamento é cerca de 5% menor do que o registrado no ano passado para essa data. Os dados são da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Mesmo com a pequena queda em comparação com 2019, comerciantes esperam que o cenário de incertezas trazido pela pandemia da covid-19 não atrapalhe as vendas no Dia das Crianças deste ano. Uma pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) aponta que 72% da população brasileira planeja ir às compras nessa data. 

Segundo a CNDL, o gasto médio com presentes no país deve ser de R$ 209. Dessa forma, a expectativa é de que o varejo brasileiro movimente aproximadamente R$ 10,87 bilhões no Dia das Crianças. O levantamento aponta ainda que oito em cada dez consumidores disseram que vão pagar à vista pela compra. Além disso, a internet vai ser o meio de compra da maioria. 

A pesquisa, comparada com as vendas do ano passado, apresenta uma previsão de queda 5%. Mesmo assim, o gerente executivo da CDL Nacional, Daniel Sakamoto, considera o saldo positivo. "É um cenário muito bom diante desse contexto de pandemia, de crise econômica, de desemprego. Ficamos muito satisfeitos em saber que a população está mantendo esse hábito saudável de comprar presentes no Dia das Crianças", destacou.

De maneira geral, um fator que contribui para que as vendas estejam quase no mesmo patamar do ano passado, apesar da pandemia, é o comércio eletrônico, que vai responder por cerca de metade de tudo o que for vendido. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a previsão é de que as vendas por esse setor cresçam 78% nesse período. Já o faturamento pode chegar a R$ 4,9 bilhões.

"Uma vez que tem muitas pessoas que não estão saindo de casa e preferem fazer suas compras online, do outro lado tem muitos varejistas que estão aproveitando essa oportunidade. E a expectativa é essa, de um crescimento bem positivo agora para o Dia das Crianças de 2020", ressaltou Maurici Júnior, membro do conselho da ABComm.

Enquanto a garotada sorri, o setor varejista já está de olho nas vendas de fim de ano. É que o resultado de agora vai servir de termômetro para entender o que pode acontecer no Natal. 

"Esse otimismo que a gente traz, por meio dessa pesquisa, deve ser atingido também nessas duas próximas datas, que é de Black Friday e Natal. Estamos bastante otimistas, achando que realmente as pessoas estão voltando a ter aquela rotina normal. A gente acredita que, no Natal, vai estar ainda mais tranquila essa questão das restrições da pandemia e das restrições econômicas do país", frisou Sakamoto.

Dados da pesquisa da CNDL:

- A expectativa é de que o varejo brasileiro movimente aproximadamente R$ 10,87 bilhões no Dia das Crianças.

- A maioria garante que pretende gastar menos ou o mesmo valor do ano passado: 36% querem gastar menos, 32% pretendem gastar a mesma quantia e apenas 17% dizem que irão gastar mais.

- Três em cada dez entrevistados vão adquirir dois presentes (31%), enquanto 27% pretendem comprar somente um presente e 18%, três presentes. Em média, os consumidores vão adquirir 2,3 presentes. O gasto médio deve ser de R$ 209,33 com todos os presentes na data, valor bastante parecido com a intenção de compras da pesquisa de 2019 (R$ 198,79).

- Os produtos mais visados neste dia das crianças serão as roupas e calçados (38%), bonecos/bonecas (33%) e os jogos de tabuleiro/educativos (28%).

- Entre aqueles que deixarão de presentear por não ter dinheiro, estar desempregado ou não poder encontrar o filho na data, 71% citam os impactos da pandemia da covid-19.

Com informações do repórter Alex Pandini, da TV Vitória/Record TV

Últimas