Folha Vitória VÍDEO | Hospital do ES realiza 1ª cirurgia de próstata sem cortes

VÍDEO | Hospital do ES realiza 1ª cirurgia de próstata sem cortes

O procedimento, denominado Enucleação Endoscópica da Próstata com Laser Holmium (HoLEP), foi realizado no Hospital Santa Rita

Folha Vitória
Foto: Divulgação Hospital Santa Rita
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Um problema urinário comum, que afeta homens com mais de 50 anos de idade. A Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) ou aumento prostático benigno, já pode ser tratada no Espíeito Santo com uma cirurgia a laser minimamente invasiva. O paciente tem alta hospitalar em 24h.

De forma inédita no Espírito Santo, o urologista José Antônio Prezotti, realizou, neste fim de semana, a Enucleação Endoscópica da Próstata com Laser Holmium (HoLEP), o mais avançado padrão de tratamento cirúrgico para o crescimento benigno da próstata.

Entenda o procedimento

De acordo com Prezotti, os resultados com o HoLEP são bem superiores às cirurgias abertas e endoscópicas. 

O procedimento à laser permite “empurrar” o tecido extraído para dentro da bexiga e depois, com um outro aparelho, ele é fragmentado e aspirado. 

Ao final do procedimento, é colocado um cateter por apenas 24h, sendo retirado após esse período quando, então, o paciente pode receber alta hospitalar assim que urinar espontaneamente. A grande maioria dos pacientes permanece no hospital por apenas 24h.

“Esse novo procedimento é realizado pela via transuretral, onde utilizamos um delicado e fino aparelho que permite a passagem da fibra laser pelo canal da uretra. Com o laser, conseguimos retirar a próstata, mantendo sua capsula externa e preservando as inervações, o que reduz drasticamente o risco de impotência sexual pós cirurgia”, explica o médico.

Veja os benefícios do novo procedimento

- Menor tempo de internação hospitalar - média de 24h

- Redução do risco de sangramento intraoperatório e pós-operatório - especialmente quando comparado com a cirurgia aberta

- Redução drástica nas chances de nova cirurgia

- Indicado para pacientes que usam anticoagulantes e antiagregantes plaquetários

- Menor risco de complicações na ereção, prazer e orgasmo

Veja o vídeo da 1ª Enucleação Endoscópica da Próstata com Laser Holmium (HoLEP) feita no ES

O aparelho que possibilita Enucleação Endoscópica da Próstata com Laser Holmium (HoLEP) possui tecnologia alemã. O equipamento está disponível no Complexo de Cirurgia Robótica e Alta Tecnologia do Hospital Santa Rita, em Vitória, para pacientes de convênios e particulares. O SUS não cobre esse tipo de procedimento.

Entenda o que é Hiperplasia Prostática Benigna

A partir dos quarenta anos de idade inicia-se um processo de crescimento da zona de transição da próstata, na região peri-uretral, que acometerá 80% dos homens.

Esse crescimento, esclarece o urologista José Antônio Prezotti, não causa necessariamente sintomas de obstrução em todos os homens, mas sim em 30% a 60% de todos os homens acima dos 65 anos

“O processo é benigno e não tem relação com o câncer, porém, causa obstrução em graus diversos, desde sintomas leves até a retenção urinária”, informa o médico.

Nem todas as hiperplasias prostáticas benignas necessitam de cirurgia, podendo ser tratadas com medicamentos. A indicação da medicação depende da gravidade dos sintomas, do tamanho da próstata e da presença de fatores de risco, informa o médico.

Muitos pacientes se beneficiam com as medicações, mas os que apresentam sintomas mais intensos, complicações, piora e progressão dos sintomas ou que não toleram as medicações por efeitos adversos (disfunções sexuais por exemplo) necessitam de cirurgia.

Saiba como identificar os principais sintomas:

- Redução do jato urinário.

- Aumento da frequência urinária, principalmente à noite, o que prejudica a qualidade do sono.

- Vontade urgente de urinar, com eventuais perdas antes de chegar ao banheiro

- Dificuldade para iniciar a micção e sensação de esvaziamento incompleto da bexiga

- Retenção urinária. Sintoma mais grave, sendo necessária a intervenção médica com passagem de sonda para possibilitar o esvaziamento da bexiga.

Como funciona o diagnóstico?

O diagnóstico, segundo o especialista, é realizado em consulta durante o exame de toque retal da próstata. 

Podem ser necessa´rio também exames complementares, como PSA (Antígeno Prostático Específico), ultrassonografia da próstata, ultrassonografia Trans-retal da Próstata (USTR), urofluxometria liver e, estudo urodinâmico, exame de urina, ressonância magnética da próstata.

Conheça os fatores de risco para a doença:

- Obesidade

- Síndrome metabólica

- Sedentarismo

- Herança genética

De acordo com o especialista, a grande maioria dos pacientes não apresenta fator de risco evidente. Mas a atividade física regular e uma dieta saudável são fortemente recomendadas em pacientes com hiperplasia da próstata.

Últimas