Folha Vitória VÍDEO | Rede de pesca de 400 metros é apreendida em área de proteção ambiental no ES

VÍDEO | Rede de pesca de 400 metros é apreendida em área de proteção ambiental no ES

Para proteger a fauna marinha, a lei 9077/2017 proíbe a pesca utilizando qualquer tipo de rede na capital

Mais uma rede de pesca foi apreendida na noite de terça-feira (15) pela Polícia Militar Ambiental Náutica, em Vitória. Com 400 metros, a rede foi encontra em uma área de proteção ambiental, conhecida como Baía das Tartarugas.

Foto: Divulgação/Sesp
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Durante a fiscalização marítima noturna, a rede foi visualizada próxima ao local onde há uma concentração muito grande de golfinhos.

Segundo a PM, nenhum suspeito foi encontrado nas proximidades.

Para proteger a fauna marinha, a lei 9077/2017 proíbe a pesca utilizando qualquer tipo de redes na capital, como de emalhe, de espera, de cerco ou de arrasto.

Quem for flagrado pescando com qualquer categoria de rede na Baía do Espírito Santo e nos canais de Vitória e Camburi terá todo o material apreendido, pagará multas — que podem variar de R$ 700,00 a R$ 100 mil, e, ainda, responderá a processo por crime ambiental.

Casos registrado no mês de fevereiro 

Foto: Reprodução/ Instagram/ Projeto Pegada
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Neste mês de fevereiro, alguns casos de pesca ilegal e animais mortos em praias capixabas foram divulgados pelo Jornal Online Folha Vitória. 

No dia 2 deste mês, mais de mil metros de rede de pesca irregular foram apreendidas no dia 2 de fevereiro durante uma operação na orla de Vila Velha. Segundo a Polícia Militar Ambiental, cerca de 1.200 metros de rede de pesca foram apreendidas próximo à foz do Rio Jucu.

Já no último dia 6, um boto foi encontrado morto, boiando em uma área de proteção ambiental da baía de Vitória. Remadores de uma canoa havaiana aproveitavam a manhã ensolarada quando viram o animal. Eles acreditam que uma rede estava na área de proteção Baía das Tartarugas.

Outro boto, já em avançado estado de decomposição, foi encontrado na areia da Praia de Peracanga, em Guarapari, no dia 9 de fevereiro. Fábio Medeiros, presidente do Instituto Ecomaris, e também participante do projeto, acredita que o animal possa ter sido vítima de rede de pesca.

Abaixo-assinado em favor da vida marinha

O Instituto Ecomaris criou uma petição para Comissão do Meio Ambiente do município de Vitória, para fortalecer o cumprimento da lei que proíbe o uso de redes na Área de Proteção Ambiental na Baía das Tartarugas, local de concentração de diversos animais marinhos.

De acordo com um dos organizadores, a ação tem como em intuito fortalecer a importância e a fragilidade do ecossistema nesta área.

"As redes matam cruelmente animais inofensivos que não são o alvo da pescaria, como golfinhos, tartarugas, arraias, dentre outros. Estamos contando com a ajuda da sociedade para podermos dar voz a essa causa".

Ao todo 1.873 assinaturas já foram recolhidas. O grupo espera chegar a 10 mil colaboradores. Os interessados em participar do abaixo-assinado podem acessar o site da intuição

Últimas