Folha Vitória VÍDEO | Rodoviários cantam "parabéns" para salários atrasados durante protesto em Guarapari

VÍDEO | Rodoviários cantam "parabéns" para salários atrasados durante protesto em Guarapari

Funcionários estão com as atividades paralisadas há dois dias e reivindicam pagamentos de salário, FGTS e vale alimentação, que estariam atrasados

Folha Vitória
Foto: Reproducao/ Arquivo Pessoal
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Motoristas e cobradores da empresa Expresso Lorenzutti fizeram um protesto, nesta terça-feira (08), no bairro Muquiçaba, em Guarapari. Os funcionários, que estão com as atividades paralisadas há dois dias, cantaram parabéns e levaram até um bolo para o ato, em "celebração" ao aniversário dos pagamentos atrasados.

Cerca de 70 funcionários participaram do ato desta terça-feira. Segundo o cobrador Carlos Alberto, um dos trabalhadores que esteve no protesto, o gesto criativo e inusitado de protestar foi a maneira encontrada pelos motoristas e cobradores para chamar a atenção para as reivindicações. 

"A ideia foi dos próprios trabalhadores. Estamos há 44 meses com FGTS atrasado. O protesto foi para chamar a atenção, para reivindicar o nosso salário e o acordo firmado no ano passado", afirmou.

Os trabalhadores reclamam de atrasos no pagamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e afirmam que a empresa não estaria cumprindo com acordos firmados para a remuneração de atrasos no salário e no vale alimentação.

De acordo com os funcionários, por conta da pandemia do novo coronavírus foi firmado um acordo com a empresa para que fossem acertados os débitos. No entanto, a empresa não estaria cumprindo com o acordo. 

"Para a gente voltar a circular, queremos 100% do atrasado, dos acordos. Ficamos devendo prestações de carro e casa para ajudar a empresa, mas não estão cumprindo com o acordo", ressaltou Carlos. 

Os ônibus da empresa não estão rodando desde segunda-feira (07), quando os funcionários fizeram uma passeata por ruas do município. Ainda segundo os trabalhadores, a paralisação deve continuar nesta quarta-feira (09), quando representantes da categoria terão uma reunião no plenário Ewerson de Abreu Sodré, na Câmara dos Vereadores do município. 

Em nota, a empresa afirmou que tem buscado solucionar a regularização dos salários, explicou que apenas o vale alimentação referente ao mês de maio está em atraso e ressaltou que os débitos de FGTS foram parcelados junto ao órgão competente. 

A empresa Expresso Lorenzutti ainda se colocou à disposição dos funcionários para conversar. Entretanto, ressaltou que não compactua com práticas ilegais e discricionárias que, segundo ela, vêm sendo tomadas por alguns manifestantes. 

Veja a nota na íntegra: 

"Reiteramos que a empresa tem participado de mediações junto ao TRT, com a presença do Sindicato da categoria e Município de Guarapari, buscando solucionar a regularização dos salários, PROBLEMA ESTE NÃO OCASIONADO PELA EMPRESA, mas sim pelas medidas restritivas impostas pelo Poder Público em razão da pandemia da COVID-19, inclusive as tratativas entre a empresa, Sindicato, Prefeitura e TRT continuam.

A Expresso Lorenzutti informa que o valor do VALE ALIMENTAÇÃO da categoria é de R$ 750,00 por funcionário pagos no dia 20 de cada mês, sendo que foram pagos na integralidade todos os valores de vale alimentação DE JANEIRO A ABRIL/2021, inclusive os acordos do citado período, resta em aberto apenas parte do saldo do vale alimentação vencidos em 20/05/2021.

QUANTO AOS SALÁRIOS, ficou acordado no TRT, em audiência realizada no dia 03/06/2021, que 60% da receita seria direcionado ao pagamento dos valores em atraso, para tanto seria necessário a manutenção do serviço de transporte.

Assim, em 04/06/2021 (sexta feira) após a reunião com a comissão do SINTROVIG, a empresa não só cumpriu o percentual acordado em audiência, como realizou a quitação de 100% do saldo de salário vencido em 10/05/2021 para todos os funcionários.

Desta feita, encontra-se pendente de quitação apenas 50% do salário vencido 10/04/2021 (ref. mês de março), justamente do período dos 21 dias de paralisação total do serviço por força dos Decretos Estaduais nº 4848-R, nº 4859-R e nº 4866-R, QUE IMPOSSIBILITOU TANTO A EMPRESA DE OPERAR COMO OS FUNCIONÁRIOS DE TRABALHAR e a parcela do acordo deste mês de maio.

Quanto aos DÉBITOS DE FGTS a empresa informa que estes encontram-se declarados e parcelados junto ao órgão competente.

A empresa e sua diretoria sempre se colocaram à total disposição dos funcionários para conversar abertamente, entretanto, não compactua com práticas ilegais e discricionárias que vem sendo tomadas por alguns manifestantes."

Últimas