Folha Vitória Você sabia que os homens também sofrem com varizes? Entenda

Você sabia que os homens também sofrem com varizes? Entenda

Saiba mais sobre os sintomas e como tratar sem cirurgia, sem repouso e sem cortes. Muitos homens demoram para buscar tratamento por medo ou vergonha

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Muitas pessoas acreditam que varizes é um problema exclusivo das mulheres, porém isso é um grande mito e merece atenção. Muito além de um fator estético, as varizes são veias superficiais dilatadas e tortuosas, mais comuns nos membros inferiores, que indicam problemas na circulação de retorno. 

Como a doença é progressiva e gera sintomas leves, o indivíduo pode demorar anos para descobri-la e tratá-la corretamente. É muito importante observar sempre.

“Há 5 anos atendíamos no consultório um homem por mês, porém atualmente já está na rotina atender os homens diariamente”, informa Gustavo Marcatto, médico vascular e referência na área.

Essa doença ainda é um tabu, e muitas pessoas não buscam tratamento por medo, vergonha ou falta de informação. “As varizes são uma doença muito comum. Alguns pacientes, principalmente os homens, têm medo de tratar por achar que só cirurgia resolve e outras buscam tratamentos que não dão o resultado esperado. Quanto mais demora o cuidado, mas complicado pode ficar,” explica Gustavo.

“Quantas vezes nós homens ouvimos na nossa infância que homem não chora, que tem que ser resistente a dor e suas fragilidades. Isso fica no nosso inconsciente, na maioria das vezes entendemos que se cuidar é uma fragilidade. Ir ao médico é reconhecer a fragilidade do nosso corpo que precisa de cuidado e prevenção e por muitas vezes nosso inconsciente associa que se cuidar e fraqueza e não inteligência", completou. 

Ainda segundo o especialista, uma outra explicação para a demora no trataento por parte dos homens é o medo.

"O homem tem muito mais medo de descobrir coisas negativas em comparação com as mulheres, tanto que se a gente observa a mulher tem mais facilidade de lidar com notícias negativas do que o homem. O que vemos no dia a dia é que a mulher gosta de resolver e que o homem prefere deixar para depois, o famoso empurrar com a barriga”, explica o Psicanalista Dr. Junior Silva.

O que são varizes?

As varizes geralmente comprometem mais os membros inferiores, que podem causar dor e inchaço nas pernas, além de mexer com a autoestima. 

“A maioria dos casos de varizes podem ser causados por histórico familiar, uso de hormônios, gravidez ou ficar muito tempo em pé ou sentado”, complementa  Gustavo Marcatto.

Os principais sintomas são: aparecimento de veias azuladas e muito visíveis, agrupamento de pequenos vasos avermelhados, sensação de peso nas pernas; câimbras, inchaço nas pernas, em especial ao final do dia, sensação de pernas ardendo. 

“Além de afetar a aparência, a doença causa inchaço, dor, cansaço e pode levar a feridas e até trombose”, explica.

Como trataro problema?

Muitas pessoas não sabem, mas é possível tratar varizes sem ter que recorrer à cirurgia, repousos ou pós-operatórios longos. O especialista conta que o tratamento de varizes pode ser feito com laser usando técnicas modernas, não invasivas e que necessitam de poucas sessões.

“As técnicas de tratamento para as varizes dos homens e das mulheres são as mesmas. Cada um com sua particularidade, mas, em geral, mantêm os mesmos princípios”, conta.

Gustavo destaca duas técnicas mais efetivas: a primeira, CLaCS (Cryo Laser & Cryo Sclerotherapy) criada pelo Dr Kasuo Miyake que, guiada pela realidade aumentada, identifica os vasos e utiliza a sinergia entre o laser e a escleroterapia.

“É um método seguro que evita em 85% os casos de cirurgia eliminando as varizes e os vasinhos que não leva à internação ou ao repouso, deixando as pernas bonitas e saudáveis no mesmo procedimento”, explica Marcatto.

A segunda é mais específica para varizes grossas e a veia safena. “Antigamente para tratá-la era preciso fazer cortes na perna e ficar mais de 30 dias de repouso. Hoje, com o Endolaser não há necessidade. A paciente realiza o procedimento na própria clínica e volta para casa andando”, descreve Gustavo.

Últimas