Folha Vitória Volta às aulas: conheça os protocolos necessários para o início de um ano letivo seguro

Volta às aulas: conheça os protocolos necessários para o início de um ano letivo seguro

Para um retorno seguro, Estado, municípios e rede privada elaboraram protocolos de biossegurança buscando atender ao máximo a eficiência e a realidade de cada instituição

Folha Vitória
Foto: Divulgação | EAV
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Durante a pandemia do novo coronavírus uma série de incertezas e medos tem acompanhado a sociedade como um todo. Proteção, sintomas, transmissão, tudo o que está relacionado ao vírus, de certa forma, provoca preocupação e com o setor de educação não foi diferente. Além das medidas e dos protocolos necessários para a rotina dos trabalhadores de todas as esferas, as escolas também tiveram que se adaptar aos novos parâmetros dos órgãos de saúde, para que não haja prejuízos no âmbito acadêmico.

Na rede pública de ensino, mais especificamente as instituições pertencentes ao Governo do Estado (escolas estaduais), o início do ano letivo está programado para a próxima quinta-feira (4). De acordo com uma pesquisa realizada pela Associação dos Municípios do Estado do Espírito Santo (Amunes), 45% dos municípios retornarão às aulas de forma híbrida (presencial e online), 25% ainda não definiram o modelo das aulas, 27% terão apenas aulas remotas e 3% presencial.

Na Grande Vitória, todas as cidades vão retornar em sistema híbrido, ou seja, virtual e presencial com um revezamento nas escolas. Em todo o estado, apenas 3 municípios decidiram retomar as aulas totalmente presenciais e são eles Divino de São Lourenço, Nova Venécia e Presidente Kennedy.

Leia também: Volta às aulas: redes do Estado e dos municípios retornam a partir de 4 de fevereiro

Ainda de acordo com a pesquisa da Amunes, a maior parte dos municípios considera que as escolas não estão preparadas para um retorno seguro e também não apresentaram um planejamento para a testagem de funcionários, mas de acordo com o secretário de Estado da Educação, Vitor de Angelo, o retorno das atividades é necessário tendo em vista o período em paralisação.

"Planejamos a volta de acordo com o protocolo estabelecido, tanto do ponto de vista pedagógico quanto da biossegurança. Mas a autorização técnica passa pelas autoridades de saúde. Além disso, testagem não é pré-requisito para a volta", explicou.

Insumos e imunização

Os municípios ainda seguem em processo de compra de utensílios de higiene como máscaras, dispenser de álcool em gel. Estima-se que nem todos os equipamentos de biossegurança estejam disponíveis até o início do ano letivo, problema ocorrido em virtude dos processos licitatórios que garantem a compra dentro da legalidade. Tendo essa questão em vista, o secretário garantiu que o Estado segue à disposição para ajudar os municípios neste quesito.

Sobre a vacinação de professores, De Angelo explica que, de acordo com o planejamento do Ministério da Saúde, esta seria a quarta categoria a ser vacinada dentro do grupo prioritário. "Não temos uma data específica ainda para vacinar os professores. Temos apenas a fase dentro do grupo de prioridades. Estamos acompanhando a luta, mas a data não temos ainda", afirmou.

Rede municipal 

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Na Grande Vitória, as cidades de Vitória, Cariacica e Vila Velha pretendem retornas às aulas no dia 22 de fevereiro. Viana no dia 4 do mesmo mês e Serra com a previsão de iniciar o ano letivo no dia 1º de março.

Leia também: Aulas da Rede Municipal de Domingos Martins voltam em fevereiro de forma remota

Sobre os protocolos de retorno, Vitória, Cariacica e Vila Velha vão iniciar as aulas na modalidade remota e vão partir gradativamente para o formato híbrido. Nas aulas presenciais, o retorno será feito de forma escalonada de acordo com a faixa etária começando pelos alunos mais velhos, afim de evitar aglomerações.

Estrutura

Em Vitória as escolas municipais de Ensino Fundamental (Emef) passaram por uma vistoria na última sexta-feira (29) e em seguida será a vez dos Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis). O município de Vila Velha não detalhou as mudanças que estão sendo implantadas nas escolas da rede, mas afirmou que segue providenciando as adaptações necessárias.

Cariacica está adequando as 112 escolas da rede. As unidades estão sendo sinalizadas e há aquisição de material de limpeza (álcool em gel) e de proteção individual. Quando as aulas presenciais retornarem, cada professor receberá dois jalecos e protetor facial e cada profissional da Educação (educadores e demais técnicos) e cada estudante receberão quatro máscaras de tecido.

Em Viana, a prefeitura garantiu que todas as 39 escolas estão seguindo os protocolos sanitários da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Salas de aula, refeitório e pátio foram demarcados indicando o distanciamento e evitando aglomeração. Álcool 70%, dispensers com sabonete líquido, papel toalha, protetor facial em acrílico, tapetes sanitizantes e máscaras estarão disponíveis para todos.

Leia também: Volta `às aulas na pandemia: creches municipais irão reabrir em apenas 20 cidades do ES

Após uma série de vistorias nas escolas, a Secretaria Municipal de Educação da Serra identificou aproximadamente 20 unidades de ensino que precisavam de adequações para receber alunos e profissionais com segurança. Serão construídas mais janelas e mais banheiros nas instalações a partia da próxima semana.

Rede Privada

Foto: Divulgação | EAV
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

As escolas pertencentes à rede de ensino privado no Espírito Santo vão dar início ao ano letivo no dia 1º de fevereiro. O formato adotado por estas instituições será o híbrido que mescla aulas presenciais e virtuais. Com o intuito de promover uma retomada segura das aulas, o Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe-ES) elaborou um protocolo de biossegurança.

Dentro do pacote de medidas está um check list que deve ser preenchido por cada instituição de ensino e que será dividido em três partes: protocolo de saúde, pedagógico e jurídico. Este formulário pode ser adaptado para a realidade de cada instituição de ensino.

De acordo com o presidente do Sinepe-ES, Moacir Lellis, o protocolo elaborado segue o mesmo parâmetro de hospitais e unidades de saúde.

“O protocolo continua o mesmo que encerramos 2020. Como já estávamos preparados, continuamos os procedimentos, atendendo o protocolo de biossegurança, que é à nível de protocolo de hospital. O decreto do nosso governador, quando permitiu o retorno, diz que é uma opção das famílias retornar presencialmente ou permanecer remoto, então as nossas escolas vão cumprir o decreto", disse.

Algumas orientações consistem em preparar a estrutura organizacional para que os alunos mantenham distância de 1,5m entre si, abrir portas e janelas e evitar formação de filas.

O vice-presidente do Sinepe-ES, Eduardo Costa Gomes, explica que as instituições de ensino do Estado estão sujeitas ao mesmo protocolo e uma portaria conjunta norteia todas as questões e medidas sanitárias necessárias e que os protocolos adotados no início de dezembro serão semelhantes às adaptações aplicadas no início de 2021.

Últimas