Cuiabá é a 4º Capital com maior taxa de estupros do país

Cuiabá é a 4º capital brasileira com a maior taxa de estupro, apontou o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Conforme os dados foram registrados 313 casos só em 2018, considerando atentado ao pudor e atos libertinosos. Os dados estão disponíveis no Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado no começo do mês.

Consta que em 2018, a taxa de estupros para 100 mil habitantes foi de 51,6. Ao todo, foram registrados 313 casos. Se comparado com 2017, houve uma redução de -4,9% na variação total, já que durante todo o ano, a Secretaria de Segurança Pública (Sesp) registrou 320 casos.

No ‘ranking’ das capitais, a primeira com o maior número de casos para 100 mil habitantes é Porto Velho (RO) com 79,5%, seguido por Campo Grande (MS) com 67,7% e Boa Vista (RR), com 58,3%. Depois de Cuiabá está Palmas (TO), com 47,6%.

Os registros levam em consideração vítimas de todos os gêneros, incluindo dados de estupro de vulnerável. Mas, quando a vítima é do sexo feminino, só em Mato Grosso foram 283 casos de estupros em 2018.

Se comparado com 2017, houve uma redução do número de vítimas mulheres. Naquele ano, foram registrados 292 casos. Entre os casos de 2018, destaca-se o da adolescente de 14 anos que foi estuprada pelo padrasto, no bairro Alvorada em Cuiabá. Os abusos sofridos resultaram em uma gravidez.

Também entrou para a estatística o caso do professor de futebol acusado de estuprar os alunos durante viagens e treinos. 

Saiba onde pedir ajuda 

Vítimas de crimes sexuais podem procurar qualquer delegacia para registrar o crime no Estado. Além disso, estão disponíveis canais de denúncia pelo telefone, conforme recomendou a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).   

Em Cuiabá, é as vítimas podem procurar à Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM), localizada na Rua Joaquim Murtinho, nº 789, Centro Sul. Em Várzea Grande, pelo telefone (65) 3901-4277, na Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, da Criança e do Idoso, na Rua Almirante Barroso, 298, Centro Sul, e contato pelo (65) 3685-1236.  

Na Capital, para casos que envolvam menores de idade, o atendimento é feito pela Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (DEDDICA), localizada na Av. Dante Martins de Oliveira, s/nº (anexo ao Complexo Pomeri), Planalto. Os telefones são (65) 3901-5700 / 3901-5696.   

Já para as vítimas ou testemunhas em outras cidades de Mato Grosso, o Disque 181 recebe denúncias de todo o Estado; o 180 é voltado às mulheres; o Disque 100 é de Direitos Humanos e recebe também denúncias de abusos contra crianças e adolescentes; 197 é o Disque-Denúncia da Polícia Judiciária Civil (PJC-MT) e o 190 da Polícia Militar (PM).