Dona de casa teme moradia desmoronar e pede doações

A chuva pode ser motivo de alegria para alguns, mas de grande preocupação para outros. Os alertas de tempestade têm afligido a dona de casa Daniela Karine Dionízio Vieira Rodrigues, 27, que mora com o marido, Joel Almeida Ferreira, 38, deficiente auditivo e os filhos, Miguel e Thiago, em uma casa que está com a estrutura comprometida. As grandes rachaduras ameaçam ceder a qualquer momento e eles precisam de ajuda para a reforma, antes que comece a chover com mais frequência.

Leia também -Liminar suspende desocupação de 2.500 moradores da comunidade de Jarudore

A família reside em uma área ocupada, no bairro Jardim Mariana. A simplicidade dos casebres contrasta com os prédios de alto padrão, construídos no bairro Santa Rosa, considerada área nobre de Cuiabá.

A moradia foi construída “às pressas” para que a família pudesse se mudar e sair da casa de parentes, onde residiam. Erguida sem planejamento e sem recursos, há 7 anos, o imóvel de duas peças apresenta fissuras em todas as paredes. Porém, as mais ameaçadoras estão no banheiro e no quarto, onde os 4 membros da família dividem o espaço.

Daniela nasceu com paralisia cerebral, que afetou o lado esquerdo do corpo. Por conta da deficiência, ela recebe auxílio do governo Federal de R$ 998. Já o marido, mesmo com a limitação, não tem nenhum tipo de ajuda. A família sobrevive do benefício recebido pela mulher e dos pequenos serviços que o marido faz. Ele estudou até a 7ª série e ela concluiu o ensino médio.

“Eu preciso dos "ferros" para a casa. Hoje o que eu mais quero é conseguir arrumar a casa. Dessa vez, graças a Deus, não choveu tão forte, mas eu tenho medo”, conta a mãe enquanto mostra as grandes rachaduras pela casa e a fiação exposta, na casa construída pelos esforços do sogro e do marido.

Essa semana, Daniela encaminhou uma carta manuscrita ao #GD. No texto, ela demonstrava o desespero diante da possibilidade do imóvel vir abaixo. “Tenho medo de quando vier a chuva e o vento ela não suportar e cair. Pois é o único teto que nós temos. Se algo acontecer, não temos para onde ir. Viemos aqui porque o senhor Deus tem nos guardado (sic)”.
A família precisa urgentemente de doações de materiais para consertas as paredes da casa, principalmente do quarto. Ajuda com mãe de obra, e roupas de criança e itens em geral são bem vindos.

Quem puder ajudar a família, deve entrar em contato com Daniela pelo telefone (65) 65 8463-2508.