Cidades Justiça converte prisão temporária em preventiva dos envolvidos na morte de Expedito Pereira

Justiça converte prisão temporária em preventiva dos envolvidos na morte de Expedito Pereira

Os presos envolvidos na morte do ex-prefeito de Bayeux, Expedito Pereira, tiveram a prisão temporária convertida em preventiva, conforme solicitado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e acatado pela Justiça do Estado. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (15). Dois estão detidos e o terceiro envolvido no caso ainda é procurado, mas quando for localizado […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Expedito Pereira (Foto: Arquivo/Jornal Correio da Paraíba)

Os presos envolvidos na morte do ex-prefeito de Bayeux, Expedito Pereira, tiveram a prisão temporária convertida em preventiva, conforme solicitado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e acatado pela Justiça do Estado. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (15). Dois estão detidos e o terceiro envolvido no caso ainda é procurado, mas quando for localizado também será preso de forma preventiva.

Expedito Pereira foi morto por causa de patrimônio, conclui polícia

A denúncia foi oferecida pelo promotor de Justiça do 1º Tribunal do Júri de João Pessoa, Marcus Antonius da Silva Leite, e a decisão foi da juíza que atua no mesmo tribunal, Andrea Carla Mendes Nunes Galdino. 

No pedido de conversão da prisão, o promotor Marcus Leite justifica que a decisão seria uma garantia da ordem pública e também asseguraria a aplicação da lei penal.

A prisão temporária dos acusados, segundo o processo, foi requerida e deferida no dia 15 de dezembro de 2020, pelo prazo de 30 dias, prorrogada por igual prazo no dia 13 de janeiro deste ano. Com a prisão preventiva decretada, os acusados devem continuar presos até o julgamento do processo. Na mesma decisão, a juíza também levantou o sigilo dos autos e da cautelar.

Expedito foi assassinado na Avenia Sapé, no bairro de Manaíra, em João Pessoa, no dia 9 de dezembro de 2020. A vítima foi atingida por dois disparos de arma de fogo, após aproximação do executor, que trafegava pela via pilotando uma motocicleta. Dois acusados estão presos e um está foragido.

Últimas