Boate Kiss

Cidades Kiss: irmã de vítima passa mal após exibição de imagens da boate

Kiss: irmã de vítima passa mal após exibição de imagens da boate

Irmã de Vinícius, que morreu ao tentar salvar outros jovens na tragédia, deixou o plenário chorando após ver imagens da tragédia

  • Cidades | Fabíola Perez, do R7, em Porto Alegre (RS)

Jéssica Rosado chora durante depoimento

Jéssica Rosado chora durante depoimento

Reprodução/YouTube/TJ-RS

Após mais de uma hora de interrogatório do Ministério Público, a advogada Jéssica Montardo Rosado passou mal e teve de ser levada para uma sala restrita do Foro Central I de Porto Alegre, onde ocorre o segundo dia do julgamento dos quatro réus acusados de ser responsáveis pelo incêndio na boate Kiss, em janeiro de 2013, em Santa Maria. Jéssica chorou e se mostrou abalada em diversos momentos do depoimento à promotora Lúcia Helena e ao juiz Orlando Faccini Neto.

VÍDEO: Assista ao segundo dia de julgamento

O MP-RS exibiu à depoente um vídeo que mostrava imagens da banda Gurizada Fandangueira minutos antes de o incêndio se iniciar. Quando o magistrado interrompeu a sessão para o intervalo, a irmã de Vinícius, que morreu ao tentar salvar outros jovens na tragédia, deixou o plenário chorando e com as mãos no rosto.

O presidente da Associação de Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Flávio da Silva, disse que a jovem ficou nervosa e esgotada após o depoimento. A entidade pediu ao juiz que conceda um intervalo para que ela possa se recuperar. Jéssica chorou ao se lembrar do irmão Vinícius. Ambos voltaram a entrar na casa noturna para ajudar outros jovens que não conseguiam deixar a boate. “Se não tivéssemos a ajuda de civis, seriam muito mais do que 242 mortes”, disse ao Ministério Público.

Jéssica Rosado presta depoimento

Jéssica Rosado presta depoimento

Fabiola Perez/R7

Jéssica relatou que voltou à boate para encontrar o irmão. “Jamais me perdoaria de voltar para casa sem ele, como voltei. Queria ter feito mais, mas não tive como.” A advogada disse também que o irmão salvou 15 pessoas. “Ele tinha 1 metro e 98 [centímetros], pesava 130 quilos, era grande, forte e doce como uma baleia. Vinícius sempre foi solidário em todos os trabalhos que fez.”

Ela contou ao Tribunal do Júri que o irmão e o pai chegaram a atuar na contenção de um incêndio em outra cidade do interior do Rio Grande do Sul. “A gente já tinha ajudado a apagar um incêndio com balde e mangueira. Ele era um menino gigante. Ele não seria o mesmo se tivesse voltado para casa e tivesse visto a tragédia da magnitude que foi”, disse.

No retorno à sessão, o juiz confirmou que a irmã de Vinícius havia sido medicada e pediu às partes, o Ministério Público e a defesa dos réus, que se colocassem no lugar das vítimas. “Peço que tenham empatia e por alguns segundos se coloquem no lugar das vítimas. Não podemos ter depoimentos que se alonguem dessa maneira. Vamos harmonizar”, disse antes de passar a palavra à defesa dos réus.

“No início do fogo a gente não tinha noção de nada”

Jéssica disse que morava próximo à rua das Andradas, endereço onde estava localizada a casa noturna. Ela disse que não precisou pegar fila para entrar porque conhecia um dos seguranças da boate. Com isso, a jovem conseguiu se posicionar próxima ao palco onde ocorreu o incêndio. “Vi quando pegou a faísca, vi quando pegaram os extintores. Vi o Marcelo quando ele colocou o microfone no chão e gritou ‘sai’. Me direcionei para a porta e voltei. Tentei procurar meu irmão”, afirmou.

Nervosa, Jéssica disse que caiu entre duas portas e ficou apavorada. “Era muita gente, uns por cima dos outros. Minha primeira reação foi ligar para os meus pais avisando que meu irmão estava lá dentro. Meu pai chegou e tentou me acalmar”, lembra. Na sequência, ela e o pai receberam, então, a notícia de que Vinícius havia sido internado em um hospital. “Ele era a melhor coisa que eu tinha na vida. Vivi meu luto.”

No dia da tragédia, Jéssica se lembra de ter visto os réus em meio ao incêndio. “Eu lembro que eles estavam tentando apagar com garrafa d’água e extintor”. A advogada disse que conhecia Marcelo Jesus dos Santos, que portava o sinalizador que deu início ao incêndio na Kiss, de outros eventos. “Ele me olhou no olho e disse sai. Era um ‘sai’ para as pessoas que estavam olhando.” Em outro momento, a irmã de Vinícius diz que avistou Marcelo “saindo no desespero”. “Vi o Kiko saindo sem camisa no Carrefour, ele queria entrar na boate. Não vi o Mauro e não lembro do Luciano. Vi o Marcelo saindo da multidão sozinho.

Questionada pela advogada de Marcelo, Tatiana Borsa, sobre o momento que o incêndio começou, Jéssica disse que foi muito difícil imaginar o desfecho da tragédia quando o fogo começou. “No início do fogo, a gente não tinha noção de nada”, disse ela. “Às vezes, a gente carrega até uma culpa por ter conseguido sair. Não sei nem como conseguimos sair.”

Jéssica comentou ainda que seu pai reencontrou o produtor musical Luciano Bonilha, de 43 anos, após a tragédia e que ele teria abaixado a cabeça e dito que ‘não era assassino’, em referência aos mortos e feridos. O pai, por sua vez, teria lhe respondido: “eu sei que tu não é um assassino”.

Últimas