Cidades Paraíba gera mais de 2 mil empregos formais em março de 2021

Paraíba gera mais de 2 mil empregos formais em março de 2021

Com 12.955 admissões e 10.873 demissões registradas no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Paraíba teve saldo positivo de 2.082 postos de trabalho em março de 2021, o que corresponde a uma variação positiva de 0,50%. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (28). Veja aqui as informações locais e nacionais completas. De acordo […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Imagem ilustrativa/Divulgação/Secom-JP

Com 12.955 admissões e 10.873 demissões registradas no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Paraíba teve saldo positivo de 2.082 postos de trabalho em março de 2021, o que corresponde a uma variação positiva de 0,50%. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (28). Veja aqui as informações locais e nacionais completas.

De acordo com os dados divulgados, os setores com maior geração de empregos no estado durante o período citado foram os de serviços (947 postos a mais), comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (+ 903) e construção (+ 476). Houve também um discreto saldo positivo também no segmento de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+ 24).

As maiores perdas foram percebidas nos setores de indústria geral, com o fechamento de 268 empregos formais.

No acumulado de 2021, a Paraíba gerou 979 postos de trabalho – foram 39.053 empregos gerados e 38.074 perdidos, com uma variação positiva de 0,23%. Já no período de 12 meses (abril de 2020 a março de 2021), o estado registrou saldo positivo de 12.693 postos de trabalho – 136.101 admissões e 123.408 demissões, tendo uma variação relativa de 3,13%.

Brasil

As contratações com carteira assinada superaram as demissões pelo terceiro mês seguido e fecharam março com um saldo positivo de em 184.140 postos de trabalho formais.

O resultado, fruto de 1.608.007 admissões e 1.423.867 desligamentos no período, demonstra uma perda de ritmo das contratações, que somaram 452.935 nos meses de janeiro e fevereiro.

Segundo apuração do R7, no mesmo período do ano passado, o Brasil contabilizou o fechamento de 276.350 vagas com carteira assinada em meio às medidas restritivas impostas para conter a primeira onda da pandemia do novo coronavírus.

Com o saldo positivo, a mercado de trabalho contabilizou 40.200.042 vínculos celetistas ativos, o que representa uma variação de 0,46% em relação ao estoque do mês de fevereiro. No acumulado de 2021, as contratações formais superam as demissões em 837.074 vagas, decorrentes de 4.940.568 admissões e de 4.103.494 desligamentos no primeiro trimestre.

Os dados positivos do Caged surgem no mesmo momento em que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que o desemprego atinge 14% da população (14,3 milhões). A diferença de metodologia e dos grupos analisados pelas pesquisas ajudam a justificar a disparidade entre os indicadores.

Setores

Em março, todos os cinco grupos de atividade registraram saldo positivo de admissões, com destaque para o setor de serviços (+95.553 postos), distribuído principalmente nas atividades de administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (+55.274 postos).

Na indústria, foram contabilizados 42.150 novos postos, concentrados na indústria de transformação (+39.547 postos). Também contrataram mais do que demitiram a construção (+25.020 postos), o comércio (+17.986 postos) e a agropecuária (+3.535 postos).

Últimas