Cidades PB tem maior percentual de pessoas com sintomas gripais no país

PB tem maior percentual de pessoas com sintomas gripais no país

A proporção de pessoas que apresentaram algum dos sintomas de síndromes gripais,

Portal Correio

A proporção de pessoas que apresentaram algum dos sintomas de síndromes gripais, entre os pesquisados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Covid-19, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem registrado queda desde o início do levantamento, em maio, e atingiu 8,2% no último mês, que equivale a 330 mil pessoas. Apesar disso, esse foi o maior percentual do país em agosto, ao lado do verificado no Rio Grande do Sul, também de 8,2%.

Leia também:

UFCG identifica alta de casos de coronavírus; Estado vê queda

Na estatística, são considerados os sintomas: febre, tosse, dor de garganta, dificuldade para respirar, dor de cabeça, dor no peito, náusea, nariz entupido ou escorrendo, fadiga, dor nos olhos, perda de cheiro ou de sabor, e dor muscular. A informação é fornecida pelo morador entrevistado e não é necessário diagnóstico confirmado.

Também foi registrada uma leve diminuição na proporção de pessoas que apresentaram sintomas conjugados, que caiu de 1%, em julho, para 0,7%, em agosto, passando de 39 mil pessoas para 28 mil. Esse indicador é formado por aqueles que apresentaram um dos três conjuntos de sintomas: perda de cheiro ou de sabor; tosse, febre e dificuldade para respirar; ou tosse, febre e dor no peito.

Das pessoas que tiveram algum dos 12 sintomas investigados, apenas 19,5% foram a estabelecimento de saúde, o que indica queda, se comparado ao percentual registrado em julho (22,5%). Já entre aqueles que tiveram sintomas conjugados, a procura por atendimento em estabelecimento de saúde foi bem maior (46,5%), mas também inferior à verificada no mês de julho (49,6%).

Conforme a pesquisa, até o mês de agosto, cerca de 9,2% da população paraibana havia feito algum teste para saber se estava infectada pelo novo Coronavírus, o que representa 367 mil pessoas, com aumento frente ao número observado em julho, de 290 mil. A maior participação entre os que fizeram os testes (29,6%) é daqueles que têm rendimento real domiciliar per capita efetivamente recebido de quatro ou mais salários-mínimos, seguida pelos que têm rendimento de dois a menos de quatro salários-mínimos (18,4%), de um a menos de dois salários (13,7%), de meio a menos de um salário (7,7%) e de menos de meio salário-mínimo (5,5%).

Dos testes realizados, 199 mil foram exames de sangue, com amostra coletada por meio de furo no dedo, outros 128 mil também foram de sangue, mas com amostra coletada da veia do braço, e 69 mil foram do tipo SWAB.

Últimas