Cidades Pesquisadores da UFPB transformam coroa de abacaxi em carvão ativado

Pesquisadores da UFPB transformam coroa de abacaxi em carvão ativado

Pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) conseguiram produzir carvão ativado a

Portal Correio

Pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) conseguiram produzir carvão ativado a partir da coroa de abacaxi, matéria-prima de baixo custo. A invenção, registrada pela Agência UFPB de Inovação Tecnológica (Inova), tem a finalidade de absorver compostos tóxicos e impurezas presentes em hidrolisados lignocelulósicos, materiais que possuem lignina e celulose em sua composição (biomassa lignocelulósica) e que sofreram reação de decomposição ou alteração através da água.

Leia também:

Quase 40% dos moradores de periferias na Grande JP estão desempregados

O produto poderá ser aplicado no tratamento de efluentes, despejos líquidos provenientes de atividades humanas e industriais, facilitando, assim, o tratamento de água e dos esgotos domésticos e de fábricas sem causar contaminação ambiental.

O carvão ativado foi criado pelos inventores Ellen Santos, Ysrael Oliveira, Leanderson Lemos, Josevan Silva, Flávio Honorato da Silva, Angela Queiroz e Emerson Freitas Jaguaribe. Segundo a concluinte de Engenharia Química Ellen Santos, a ideia de produzir um carvão ativado com matéria-prima nativa foi uma opção econômica. A estudante acrescenta que outro intuito da equipe foi agregar valor, pois a coroa do abacaxi é um resíduo geralmente sem destinação adequada, descartado ou usado como adubo.

Para chegar ao carvão ativado inovador, o trabalho foi dividido em duas etapas: tratamento da matéria-prima, a coroa do abacaxi, e a carbonatação realizada em um reator. Os pesquisadores cortaram a coroa e a colocaram no sol para secar. Após perder um pouco da umidade, a coroa do abacaxi foi submetida a processos de lavagem com água quente. Depois o material passou pelo processo de secagem e foi colocado no reator para carbonatação, para produção do carvão ativado. O reator utilizado foi o do Laboratório de Carvão Ativado, do Centro de Tecnologia, no campus I da UFPB, em João Pessoa.

Últimas