Cidades Polícia da Paraíba instaura inquérito para apurar possível racismo praticado por Antônia Fontenelle

Polícia da Paraíba instaura inquérito para apurar possível racismo praticado por Antônia Fontenelle

A Polícia Civil da Paraíba, por meio da Delegacia Especializada de Crimes Homofóbicos, Raciais e de Intolerância Religiosa – DECHRADI, após determinação da 1ª Delegacia Seccional de Polícia Civil (1ª DSPC), vai instaurar inquérito policial para investigar um possível crime de racismo praticado pela vlogueira Antônia Fontenelle. Leia também: João Azevêdo critica falas xenofóbicas: ‘preconceito […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Reprodução/Instagram/nalatacomantonia

A Polícia Civil da Paraíba, por meio da Delegacia Especializada de Crimes Homofóbicos, Raciais e de Intolerância Religiosa – DECHRADI, após determinação da 1ª Delegacia Seccional de Polícia Civil (1ª DSPC), vai instaurar inquérito policial para investigar um possível crime de racismo praticado pela vlogueira Antônia Fontenelle.

Leia também:

João Azevêdo critica falas xenofóbicas: ‘preconceito aqui não tem vez’ Paraibano DJ Ivis é demitido após ser gravado espancando ex-esposa

A youtuber fez declarações em redes sociais que, no entendimento do delegado seccional Pedro Ivo, da 1ª DSPC, caracterizam manifestações preconceituosas generalizadas, direcionadas a todos os paraibanos.

“Isso evidencia, a priori, o crime de racismo, tipificado no art. 20 da Lei nº 7716/1989, cuja pena é de reclusão de um a três anos e multa, e a ação penal é pública incondicionada. Por essa razão, determinei a instauração de inquérito policial, para o completo esclarecimento dos fatos”, disse o delegado.

Nas redes sociais, Fontenelle disse: “Esses paraíbas fazem um pouquinho de sucesso e acham que podem tudo. Amanhã vou contactar as autoridades do Ceará pra entender por que esse cretino não foi preso”, disse, referindo-se ao DJ Ivis, preso nessa quarta-feira (14) por agressões contra a ex-esposa

Após críticas, Fontenelle publicou um vídeo e procurou justificar o termo utilizado: “Paraíba eu me refiro a quem faz paraibada. Pode ser ele sulista, pode ser ele nordestino, pode ser ele o que for. Se fizer paraibada, é uma força de expressão”.

Com a instauração do inquérito, serão feitas diligências investigativas, procedimentos periciais e o interrogatório da indicada autora do fato, com o consequente envio do procedimento para o Judiciário.

A redação do Portal Correio tentou obter declarações da vlogueira sobre o caso, através de e-mail encaminhado para a assessoria de imprensa dela, mas não foi emitida resposta até a publicação desta matéria.

Últimas