Polícia faz operação contra facção criminosa no Distrito Federal

Grupo atuava pelo desenvolvimento e pela consolidação na capital, tendo em vista a presença da cúpula da facção no presídio federal de Brasília

Cúpula de facção paulista cumpre pena em penitenciária federal de Brasília

Cúpula de facção paulista cumpre pena em penitenciária federal de Brasília

Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Polícia Civil realiza na manhã desta terça-feira (7) uma operação contra uma facção criminosa paulista que, segundo a investigação, atua no Distrito Federal e em todo o território nacional na prática de crimes como roubos e tráfico de drogas. 

Leia mais: "Facções vivem reequilíbrio de forças", diz especialista

De acordo com a polícia, a célula da organização criminosa desarticulada era composta por pelo menos 30 integrantes e estava dividida em núcleos específicos de atuação. O grupo atuava em práticas criminosas diversas e pelo desenvolvimento e consolidação do grupo na capital, tendo em vista a presença da alta cúpula da facção em cumprimento de penas no presídio federal de Brasília.

Em um ano de investigação, foram identificados integrantes divididos estrategicamente em diferentes setores, com o auxílio de advogados, presidiários e egressos do sistema prisional.

Segundo a polícia, eles praticavam crimes como tráfico de drogas e armas, roubos e ameaças a autoridades, com o objetivo de intensificar a presença da facção no Distrito Federal. A estrutura da organização formava uma intricada rede de atividades criminosas na qual estão inseridos pessoas de presídios de outras três unidades.

Leia mais: PCC cresce no Paraguai e lidera rebeliões por direitos dos presos

A ação, apoiada pelo Núcleo de Controle e Fiscalização do Sistema Prisional do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios e pela Subsecretaria do Sistema Penitenciário do DF contou com a participação de 120 policiais civis. A Divisão de Repressão a Facções Criminosas da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime foi órgão responsável pela operação.

O resultado das investigações culminou com a expedição de mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão. Os investigados estão sujeitos a penas de três a oito anos por promover, constituir e integrar organização criminosa.