Cidades Polícia prende colecionador que teria vendido arma usada em ataque em escola no CE

Polícia prende colecionador que teria vendido arma usada em ataque em escola no CE

Um estudante morreu e três ficaram feridos pelos disparos de um aluno que portava arma registrada para CACs

Agência Estado
Aluno entrou armado em escola de Sobral, no Ceará, e feriu colegas

Aluno entrou armado em escola de Sobral, no Ceará, e feriu colegas

Google Street View

A Polícia Civil do Ceará prendeu na quarta-feira (19) o proprietário da arma de fogo utilizada no ataque que matou um aluno e deixou outros dois feridos em uma escola na cidade de Sobral, no Ceará. Identificado como Antônio Felipe de Sousa, de 33 anos, o homem tem registro de CAC (Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador) e está sendo investigado pela prática de comércio ilegal de arma de fogo.

Antônio Felipe foi alvo de um mandado de prisão temporária e outro de busca e apreensão. Os policiais realizaram diligências para prender e apreender objetos do proprietário da arma utilizada no ataque. De acordo com a Polícia Civil, as buscas resultaram nas apreensões de computadores e aparelhos celulares, que serão utilizados para ajudar em novas diligências sobre o caso.

Após o trabalho policial, o homem foi conduzido à Delegacia Regional de Sobral, na qual foi cumprido o mandado de prisão temporária. Felipe foi encaminhado para uma unidade do sistema penitenciário e encontra-se à disposição do Poder Judiciário. A polícia informou ainda que dará continuidade às investigações com o intuito de elucidar a trajetória que a arma de fogo percorreu até chegar às mãos do adolescente.

O ataque

O caso aconteceu na Escola Estadual Professora Carmosina Ferreira Gomes, no bairro Sumaré, em Sobral, em 5 de outubro. Um adolescente de 15 anos foi à aula no horário de rotina, carregando consigo seu material escolar, e abriu fogo por volta das 10h. O vigilante da escola não percebeu que ele estava armado.

Três alunos foram atingidos. Um deles, identificado como Júlio César de Souza Alves, também de 15 anos, chegou a ser socorrido e levado ao hospital em estado grave, mas não resistiu aos ferimentos e morreu dias depois.

O jovem autor dos disparos foi apreendido logo após o ataque. Em depoimento à polícia, ele alegou que sofria bullying dos colegas. Ele é investigado por ato infracional análogo ao crime de homicídio e tentativa de homicídio.

Outros casos

Outros casos de ataque em escolas foram registrados neste ano no Brasil. No dia 26 de setembro, um adolescente de 14 anos usou a arma do pai, um policial militar, e matou uma aluna cadeirante no Colégio Municipal Eurides Sant’Anna, em Barreiras, no oeste da Bahia.

A vítima foi Geane da Silva Brito, de 19 anos, que tinha paralisia cerebral e via na escola uma ferramenta para inclusão e um local em que se sentia segura e acolhida pela comunidade escolar.

Ainda em setembro, na cidade de Morro de Chapéu, na Chapada Diamantina, também na Bahia, um adolescente de 13 anos ateou fogo na Escola Municipal Yeda Barradas Carneiro, na qual estudava, e feriu a coordenadora com uma faca. Ele foi apreendido pela Polícia Militar.

Últimas