Portal Correio Interações nas redes sociais criam ecossistemas de aprendizagem, diz pesquisa

Interações nas redes sociais criam ecossistemas de aprendizagem, diz pesquisa

Uma pesquisa da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) realizou um mapeamento das interações nas redes sociais Facebook e YouTube para compreender como os sites de redes sociais ampliam aprendizagens a respeito de temas de pesquisa no campo dos estudos culturais em educação no Brasil. Leia mais matérias sobre Educação no Portal Correio A pesquisa vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Educação (CE), foi realizada pela […] The post Interações nas redes sociais criam ecossistemas de aprendizagem, diz pesquisa first appeared on Portal Correio.

Portal Correio
Redes Sociais

Redes Sociais

Portal Correio
(Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

Uma pesquisa da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) realizou um mapeamento das interações nas redes sociais Facebook e YouTube para compreender como os sites de redes sociais ampliam aprendizagens a respeito de temas de pesquisa no campo dos estudos culturais em educação no Brasil.

Leia mais matérias sobre Educação no Portal Correio

A pesquisa vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Educação (CE), foi realizada pela aluna Geovanna Cristina Rodrigues, sob orientação da professora Edna Gusmão Brennand, e recentemente publicada no livro Ecossistemas de Aprendizagens em Sites de Redes Sociais, da Editora UFPB.

Os estudos culturais são um campo de investigação sobre práticas culturais e suas relações educacionais e sociais, que provocam mudanças na sociedade. A orientadora da pesquisa explica que devido à dinâmica que ocorre no interior das plataformas de redes sociais, essas mídias oferecem oportunidades de estudo sobre relações humanas e práticas culturais da sociedade e configuram-se como espaços de interesse para pesquisas dos Estudos Culturais em Educação.

A coleta dos dados foi realizada em três etapas principais: a identificação dos temas de pesquisa no campo dos Estudos Culturais em Educação, em teses e dissertações; a identificação das páginas do Facebook e dos vídeos no YouTube através dos temas sorteados dos estudos culturais em educação e demais dados; e o mapeamento das redes de interações formadas no Facebook e no YouTube.

Foram analisadas publicações no Facebook selecionadas por meio do mecanismo de busca da rede social utilizando as palavras-chave: cultura digital, inclusão e gênero. A investigação foi realizada com base em seis páginas como, por exemplo, “Mundo Nativo Digital”; a “inclusão é direito de todos” e “Projeto conviver inclusão”. De cada página foi sorteada uma postagem para análise do conteúdo.

Já no YouTube foram utilizadas as palavras-chave: cultura digital, inclusão e gênero na ferramenta de busca. A investigação foi realizada com base em seis vídeos sobre temas como cultura digital, inclusão escolar e o papel do professor, antropologia, dentre outros. A análise do conteúdo foi realizada a partir dos comentários dos usuários sobre esses vídeos.

Interação e diálogo geram aprendizado

a pesquisa concluiu que os sites de redes sociais, ao oferecer aos usuários diferentes possibilidades de interação, de diálogo e de produção de conteúdo, criam ecossistemas de aprendizagem que se ampliam à medida que outras pessoas participam e se conectam à rede social.

“A cada acesso a links, compartilhamentos, comentários, reações e visualizações, as pessoas entram em contato com novas informações e interagem com outras pessoas, objetos, ideias e software, o que amplia os processos de aprendizagens que resultam em novos conhecimentos (esquemas mentais) e sensibilizações (padrões mentais) e provoca mudanças que levam a novos processos de aprendizagem e, assim, sucessivamente”, disse Edna Gusmão Brennand.

Segundo a docente, as principais características dos ecossistemas de aprendizagem encontrados nos sites de redes sociais são a interação, o diálogo e a produção de conteúdo, seja dentro de um ciclo de amizades ou não, o que se configura como lócus de aprendizagens.

Além disso, a abertura para comentários, compartilhamentos e reações oferecidos pelos sites de redes sociais ampliam as possibilidades de aprendizagens coletivas, pois surgem novos pontos de interação. As pesquisadoras notaram algumas preferências, como a expressão por meio de ícones – os chamados emotions; e que as reações negativas como dislikes, tristeza ou bravo foram mínimas, se comparadas com as reações positivas (likes e amei). Isso sinaliza que os usuários costumam avaliar positivamente os materiais postados e aprendem por meio deles

“Devemos ver os sites de redes sociais para além de ambientes de lazer e de entretenimento pois são ricos em possibilidades de interação, diálogos, produção de conteúdo e compartilhamento de informações, o que possibilita a criação de ecossistemas de aprendizagens”, orientou a docente.

Acompanhe a TV Correio na Internet

The post Interações nas redes sociais criam ecossistemas de aprendizagem, diz pesquisa first appeared on Portal Correio.

Últimas