Portal Correio JP sedia 1º torneio de beach tennis para crianças neste domingo

JP sedia 1º torneio de beach tennis para crianças neste domingo

O beach tennis se tornou uma febre entre os adultos na Paraíba, mas as crianças agora começam a ganhar espaço na prática do esporte também. É tanto que neste fim de semana vai ser disputado pela primeira vez no estado um torneio para os pequenos, entre 8 e 14 anos. A competição será realizada, no […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Divulgação/Base Esportes

O beach tennis se tornou uma febre entre os adultos na Paraíba, mas as crianças agora começam a ganhar espaço na prática do esporte também. É tanto que neste fim de semana vai ser disputado pela primeira vez no estado um torneio para os pequenos, entre 8 e 14 anos. A competição será realizada, no clube Base, no bairro do Altiplano.

A professora Nanda Holmes explicou que a medida que o beach tennis cresceu na capital paraibana, existiu também a necessidade de fazer escolinhas para as crianças. Tudo por influência dos pais que praticam.

“O beach tennis se tornou muito família e é comum ver a filha contra a mãe, por exemplo, se enfrentando na quadra. Muitos pais vinham praticar e não tinha uma escolinha para o filho fazer. Decidimos criar para incentivar. Agora a gente criou esse mini torneio para dar a chance das crianças conhecerem o esporte e como funciona a competição. Sem deixar de lado a parte lúdica para eles brincarem também. Não podemos cobrar da criança a competitividade de um adulto. Ao mesmo tempo eles querem ter isso, mas precisamos tratar de uma forma diferenciada. Temos que ter cuidado para não frustrarem eles e acabarem desistindo do esporte”, disse Nanda Holmes.

Aline Pacheco tem sete anos e vai participar da competição. Pelo menos, duas vezes na semana a menina faz os treinamentos na areia. O incentivo para iniciar no beach tennis começou através dos pais.

“Meu pai, minha mãe e meu irmão jogam muito bem. Vi meus pais jogando e fui aprendendo a jogar. Depois aprendi com tia Nanda a sacar, a jogar ainda melhor, aprendi várias coisas. Quando tenho treino, eu almoço, faço minhas tarefas e depois vou para a atividade. Meu pai também tem bola e, às vezes, brinco em casa também”, finalizou Aline Pacheco.

Últimas