Portal Correio Médico alerta que omitir dados e falsear realidade durante consulta prejudicam tratamento

Médico alerta que omitir dados e falsear realidade durante consulta prejudicam tratamento

Deixar de repassar alguma informação durante uma consulta médica e, com isso, omitir dados, é um comportamento pode afetar sua saúde. Conforme estudo publicado em novembro de 2018, entre 60% e 80% das pessoas entrevistadas admitiram que não foram honestos o suficiente com seus médicos. Além de mentir sobre dieta e exercícios, mais de um […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Rizemberg Felipe/Divulgação

Deixar de repassar alguma informação durante uma consulta médica e, com isso, omitir dados, é um comportamento pode afetar sua saúde. Conforme estudo publicado em novembro de 2018, entre 60% e 80% das pessoas entrevistadas admitiram que não foram honestos o suficiente com seus médicos. Além de mentir sobre dieta e exercícios, mais de um terço dos entrevistados não se manifestou ao discordar da recomendação do médico.

Realizada por cientistas de diversas universidades, entre elas as de Utah, Michigan e Iowa, nos Estados Unidos, a pesquisa evidencia que a maioria dos pacientes não diz toda a verdade durante as consultas. A realidade registrada pelos pesquisadores norte-americanos também se reflete no Brasil.

De acordo com o pesquisador e cardiologista Valério Vasconcelos, geralmente esse tipo de omissão por parte dos pacientes ocorre com remédios ou dietas. “É muito comum no consultório a situação em que, durante a história clínica, o paciente omite alguma informação crucial para o diagnóstico da doença. Uma estratégia que uso é perguntar ao paciente qual a dosagem da medicação que ele está usando. Se ele não souber responder, é porque não está seguindo o que indiquei. É fundamental que o paciente conte tudo. Essa franqueza pode salvar a vida da pessoa”.

O cardiologista explica que, além de ser prejudicial à necessária relação de confiança entre médico e paciente, faltar com a verdade também prejudica o tratamento. “É muito comum, por exemplo, a pessoa achar que uma medicação à base de plantas é inofensiva e por isso omite tal informação, mas o uso desse produto pode causar alguma interação com a medicação prescrita. Por isso, é essencial que os médicos informem aos pacientes sobre as consequências de não falar a verdade”, afirma Vasconcelos.

Muitas vezes, aponta o médico, dados são omitidos por esquecimento do paciente, outras por medo de levar uma bronca por não tomar a medicação, conforme prescrição médica. A sinceridade, no entanto, deve ser regra básica, mesmo que para isso seja necessário fazer um checklist de informações importantes antes da consulta, para não correr o risco de esquecer.

 “O paciente nunca deve deixar de falar um sintoma, por mais banal que imagine ser. Às vezes, isso é a chave para o diagnóstico”, destaca o especialista. “Também é muito importante dizer se está usando a medicação ou não e qual a dosagem utilizada, bem como ser honesto em suas necessidades. Algumas pessoas dizem que têm problemas ou sintomas para obter determinado tratamento, mas tal tratamento também pode causar problemas sérios. Com isso, os pacientes se colocam em riscos desnecessários”.

O cardiologista afirma ainda que, conforme estudos diversos, os pacientes costumam falam inverdades para seus médicos sobre frequência com que se exercitam; quanto e o que comem; hábitos relacionados a álcool e tabagismo; e parceiros sexuais.

“Muitos pacientes omitem esses e outros comportamentos para evitar julgamentos. Isso pode tornar mais difícil dar diagnósticos precisos e pode colocar o paciente em risco de receber prescrição de medicamentos que podem ter efeitos adversos”, declara o especialista.

Como os médicos podem ajudar o paciente?

Se as pessoas têm o hábito de falsear a realidade com medo de julgamentos durante a consulta, os médicos podem colaborar na construção de uma relação de maior confiança e sinceridade. Segundo Valério Vasconcelos, o essencial é: não julgar, não ser confrontador, evitar ser crítico e deixar os pacientes saberem que o médico se preocupa com eles.

O cardiologista diz que os médicos não devem dar sermão em pacientes que admitem um hábito prejudicial à saúde. A pessoa pode não falar sobre o consumo de álcool para evitar uma bronca do médico, ou porque um dos pais ou cônjuge está na sala. Uma jovem, por exemplo, pode não falar sobre atividade sexual porque não quer que a mãe saiba.

“Eu evito ser crítico com os pacientes, porque quero que eles se sintam bem-vindos para se corrigirem e não se esconderem mais. Normalmente, quando veem que estou do lado delas, as pessoas se abrem e contam coisas que não contaram a ninguém. Essa é uma responsabilidade sagrada e muito importante para mim. Como médico, preciso fazer com que o paciente entenda que minha principal motivação é ajudá-lo”, afirma o cardiologista.

Últimas