Portal Correio Pesquisa diz que quase metade dos paraibanos pretendem presentear no Dia dos Pais

Pesquisa diz que quase metade dos paraibanos pretendem presentear no Dia dos Pais

Mesmo ainda passando pelos desafios trazidos pela pandemia da Covid-19, o comércio está otimista para o Dia dos Pais, que neste ano será em 8 de agosto. Uma prova disso é o que destaca a Pesquisa de Intenção de Compras para o Dia dos Pais realizada pelo Instituto de Planejamento, Estatística e Desenvolvimento da Paraíba […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Imagem ilustrativa/Arquivo Jornal Correio

Mesmo ainda passando pelos desafios trazidos pela pandemia da Covid-19, o comércio está otimista para o Dia dos Pais, que neste ano será em 8 de agosto. Uma prova disso é o que destaca a Pesquisa de Intenção de Compras para o Dia dos Pais realizada pelo Instituto de Planejamento, Estatística e Desenvolvimento da Paraíba (INPES), da Fecomércio Paraíba.

O estudo aponta que 48,67% dos filhos mostraram o desejo de presentear os pais na Região Metropolitana de João Pessoa (RMJP), o que significa praticamente a metade dos consumidores.

Por mais um ano, os artigos de vestuário aparecem como os presentes preferidos, citados por 40,41% dos entrevistados. Em seguida, aparecem os calçados (15,07%), perfumes (12,33%) e eletrodomésticos/ eletroeletrônicos (6,16%). Neste último segmento, os destaques ficaram por conta de smartphones (44,44%) e aparelho de som (33,33%). Neste quesito, os respondentes puderam citar mais de um tipo de presente, por isso o somatório ultrapassa 100%.

Se os filhos gostam de presentear com roupas, os pais também gostam de receber. Esse foi o item mais citado pelos pais entrevistados, com 39,34%, seguido pelos calçados (8,20%).

Os consumidores pretendem gastar com o presente dos pais, em média, R$ 183,51. A maior parte dos entrevistados (39,73%) deve comprar presentes com valores de até R$ 100. Em seguida aparece um percentual de 34,25% que pretende gastar em torno de R$ 101 e R$ 200. Apenas 6,16% dos respondentes manifestaram o desejo de comprar presentes com valores acima de R$ 800.

Já em relação à forma de pagamento, a maioria (50,68%) pretende comprar a prazo. Entre estes, 97,30% irão usar o cartão de crédito. Dentre os que pretendem comprar à vista (49,32%), 79,17% querem fazer o pagamento em espécie e 20,83% através de débito em conta. É importante ressaltar que esta escolha está diretamente ligada ao percentual de desconto oferecido pelos empresários.

Sobre o período de realização das compras, cerca de sete em cada 10 entrevistados (68,50%) tem a intenção de comprar o presente exatamente na semana do Dia dos Pais, esperando possíveis reduções nos preços. Em seguida, com um percentual de 28,08%, aparecem os entrevistados que anteciparam as compras dos presentes aproveitando as liquidações de julho.

Os locais das compras mais citados pelos consumidores (52,05%) foram as lojas dos shoppings centers. Já 31,51% irão procurar as lojas localizadas no Centro de João Pessoa. Em seguida aparecem as compras realizadas pelo e-commerce, com 26,71%. É importante ressaltar que a preferência do consumidor em comprar presentes pelo comércio eletrônico, este ano, foi 21,62% maior que a de 2019, quando o percentual dos que indicaram esse setor para compras foi de 5,09%.

No momento da compra, os clientes vão levar em consideração alguns fatores. Entre eles, a qualidade do produto foi o mais citado (69,18%). Logo depois apareceram: preço do produto (52,74%), desconto na compra à vista (28,77%), bom atendimento (21,92%) e facilidade na forma de pagamento (17,12%). Nesta questão, também podiam ser citadas mais de uma consideração.

Como forma de economizar na hora de comprar os presentes, a maioria dos entrevistados (68,49%) afirmou que pretende fazer pesquisa de preço antes de efetivar a compra. Em seguida, aparecem os consumidores que manifestaram desejo de comprar presentes com preços mais acessíveis (39,73%). Já um percentual de 8,90% vai adquirir os presentes em conjunto com os familiares. Os respondentes que pretendem comprar presentes com preços mais elevados atingiram 8,22% do universo entrevistado.

A pesquisa também procurou saber a avaliação que os consumidores fazem da sua situação financeira neste momento em comparação com a que tinha o ano passado. Do total, 47% informou que a situação financeira continuava sem alteração, igual à que tinham em 2020. Um percentual de 33,33% afirmou que estão com renda melhor neste ano, visto que, destes, 42,19% conseguiram entrar no mercado de trabalho. Por outro lado, 31,33% afirmaram estar com os rendimentos menores.

Perfil dos entrevistados

As mulheres representam a maioria dos participantes da pesquisa, com 50,33%. Quanto ao estado civil, os solteiros aparecem em maior número (51,00%) e, em seguida, aparecem os casados ou em regime de união estável (40,67%), divorciados (6,67%) e viúvos (0,67%).

A faixa etária mais encontrada foi entre 26 e 36 anos (32,67%), seguida por aqueles de 18 a 25 anos (27,67%). Já em relação à escolaridade, os que concluíram o Ensino Médio apareceram com o maior percentual (36%), seguidos pelos que possuem nível superior completo (23,33%).

A faixa de renda da maior parte dos entrevistados (64,33%) é de até dois salários mínimos. Os consumidores com renda entre dois e quatro salários mínimos aparecem com o segundo maior percentual (15,33%). Os consumidores com rendimento acima de dez salários mínimos estão em menor número de pessoas entrevistadas (1%).

Vale destacar a parcela de consumidores que declararam não possuir qualquer rendimento (9%), que são dependentes financeiros do cônjuge, estudantes ou estão fora do mercado de trabalho. Em relação à ocupação principal dos entrevistados, a maior parte são funcionários de empresas privadas (31,33%), em seguida aparecem os autônomos ou profissionais liberais (21,67%) e funcionários públicos (16,33%).

Metodologia

A pesquisa entrevistou 300 consumidores na Região Metropolitana de João Pessoa no período de 15 a 22 de julho de 2021.

Últimas