Portal Correio Pesquisadores do IFPB criam peneira automatizada para separação da carne do marisco

Pesquisadores do IFPB criam peneira automatizada para separação da carne do marisco

Pesquisadores do Instituto Federal da Paraíba (IFPB) em João Pessoa criaram um protótipo de peneira automatizada para separação da carne do marisco. O equipamento vai ajudar trabalhadores da comunidade de marisqueiros e pescadores do Renascer, em Cabedelo, na região metropolitana, pois reduz o esforço físico e manual na produção. A peneira automatizada também diminui as […]

Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Divulgação/IFPB

Pesquisadores do Instituto Federal da Paraíba (IFPB) em João Pessoa criaram um protótipo de peneira automatizada para separação da carne do marisco. O equipamento vai ajudar trabalhadores da comunidade de marisqueiros e pescadores do Renascer, em Cabedelo, na região metropolitana, pois reduz o esforço físico e manual na produção. A peneira automatizada também diminui as possibilidades de contaminação cruzada do produto e colabora com a segurança alimentar.

O protótipo foi apresentado a representantes dos marisqueiros e pescadores no dia 12 deste mês. Eles passaram por uma oficina para aprender sobre o funcionamento do equipamento. A peneira automatizada foi desenvolvida pelo Projeto 4.0, formado por 15 alunos de diferentes cursos do IFPB, sob coordenação do professor Mauricio Camargo Zorro.

O Projeto 4.0 prevê, ainda, a criação de um protótipo que utilize os grandes volumes de resíduo sólido que constituem as conchas do marisco para aplicações na construção civil e na indústria, gerando assim uma nova alternativa de renda para a comunidade pesqueira, além de diminuir os impactos ambientais nas margens do rio e áreas de manguezal do estuário do rio Paraíba. Além disso, a equipe ainda deve apresentar à comunidade do Renascer um protótipo de Biodigestor automatizado para produção de biogás utilizando o resíduo líquido do marisco.

O estudante do Curso técnico Integrado em Eletrotécnica, Paulo Pietro, avalia que a execução do projeto proporciona vasta troca de conhecimentos para a equipe e ainda possibilita a aplicação prática do conteúdo visto em sala de aula. “É uma experiência muito renovadora, pois estou utilizando os conhecimentos ensinados pelos professores de matérias técnicas em prol de melhorar as condições de trabalho das marisqueiras”.

Estudantes de escolas municipais de Cabedelo também auxiliam no Projeto 4.0, que conta, ainda, com orientação dos professores Jesus de Medeiros, Lafayette Melo, Maria Margareth Rocha e Ruth Estupinan.

Últimas