Púrpuras: entendendo os tipos e suas causas

Púrpuras são manchas na pele de coloração violácea ou arroxeada. Essas manchas podem assumir diferentes tamanhos e formatos. Quando são pequenas, recebem o nome de petéquias, e quando são maiores são chamadas de equimoses. As púrpuras têm uma particularidade: elas não desaparecem ou não branqueiam quando pressionamos sua superfície, pois representam o extravasamento de sangue […]

Portal Correio

Púrpuras são manchas na pele de coloração violácea ou arroxeada. Essas manchas podem assumir diferentes tamanhos e formatos. Quando são pequenas, recebem o nome de petéquias, e quando são maiores são chamadas de equimoses. As púrpuras têm uma particularidade: elas não desaparecem ou não branqueiam quando pressionamos sua superfície, pois representam o extravasamento de sangue proveniente dos pequenos vasos da pele. Após a reabsorção do sangue extravasado, a púrpura tende a desaparecer, mas pode deixar em seu lugar uma mancha acastanhada.

Diversas condições podem desencadear púrpuras, inclusive causas mecânicas. Um simples trauma, como uma pancada ou um machucado, comumente leva ao surgimento de púrpura do tipo “equimose”, que desaparece em poucos dias. A fragilidade dos pequenos vasos da pele é uma condição que facilita o aparecimento dessas equimoses. É o que ocorre nas pessoas idosas, nas quais podem surgir equimoses aos mínimos traumas ou até mesmo espontaneamente, em virtude da fragilidade capilar decorrente do processo de envelhecimento.

Alterações do sangue também podem desencadear púrpuras, como ocorre na púrpura trombocitopênica, em que há uma diminuição do número de plaquetas, que são componentes do sangue envolvidos na coagulação. Além de púrpuras, podem surgir sangramentos em mucosas, como gengiva e nariz. A púrpura trombocitopênica tem diferentes causas, incluindo alterações da medula óssea, medicamentos e infecções.

Algumas doenças virais febris podem levar ao surgimento repentino de púrpuras. É o caso da dengue, na qual podem surgir púrpuras de formato puntiforme, do tipo “petéquias”, espalhadas pelo corpo. Quando ocorrem associadas a sangramentos em mucosas, indicam maior gravidade da doença. Os sintomas principais da dengue incluem febre, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, fraqueza e dor no corpo.

As púrpuras podem ser a manifestação de um grupo de doenças denominadas vasculites. As vasculites cursam com inflamação dos vasos sanguíneos e podem ficar restritas à pele ou atingir outros órgãos, como os rins. Essa inflamação leva ao extravasamento do sangue na pele, resultando no aparecimento da púrpura. Contudo, nesses casos, a púrpura apresenta um pequeno relevo na superfície, que é percebido pelo toque, sendo conhecida como “púrpura palpável”. As vasculites podem levar a quadros graves, principalmente quando acometem outros órgãos, manifestando sintomas relacionados ao órgão acometido. Elas podem fazer parte do quadro clínico de diversas doenças. Em alguns casos, o surgimento da vasculite possibilita o diagnóstico de uma doença autoimune, de uma infecção ou até mesmo de uma neoplasia.

Assim, quando não houver fatores desencadeantes que justifiquem o aparecimento da púrpura, como traumas mecânicos, é importante procurar assistência médica para investigação. O tratamento adequado irá depender da identificação da sua causa.

*Joanne Ferraz é médica com residência médica em Dermatologia, mestrado e doutorado em Medicina Tropical e é associada titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia. É professora titular do curso de Medicina do Unipê.

Quer ser um (a) dermatologista?

Faça Medicina! O curso do Unipê forma profissionais pautado em princípios éticos, qualificados com base no rigor científico e capazes de intervir em situações de saúde-doença que fazem parte do perfil epidemiológico nacional. Saiba mais sobre a graduação aqui!

Últimas