Portal Correio Total de pessoal ocupado no comércio da Paraíba cresce 7,3% em um ano

Total de pessoal ocupado no comércio da Paraíba cresce 7,3% em um ano

Na Paraíba, o total de pessoas ocupadas no comércio cresceu 7,3% em 2019, frente a 2018, segundo a Pesquisa Anual do Comércio (PAC), divulgada nesta quinta-feira (29), pelo IBGE. Ao retratar características estruturais dessa atividade no país, o levantamento visa auxiliar empresas e diferentes esferas do governo no planejamento econômico. Em um ano, o número […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Foto: Imagem ilustrativa/Divulgação/CDL-CG

Na Paraíba, o total de pessoas ocupadas no comércio cresceu 7,3% em 2019, frente a 2018, segundo a Pesquisa Anual do Comércio (PAC), divulgada nesta quinta-feira (29), pelo IBGE. Ao retratar características estruturais dessa atividade no país, o levantamento visa auxiliar empresas e diferentes esferas do governo no planejamento econômico.

Em um ano, o número de pessoas atuando no setor passou de 112 mil, em 2018, para 120,2 mil, em 2019. Também houve, de modo geral, crescimento (13,2%) diante do contingente registrado em 2010, que era de 106,1 mil. Porém, 2019 não representa o ponto mais alto da atual década, uma vez que o pico (121,3 mil) foi observado em 2014, diante do qual houve uma leve queda de 0,9%.

A maior parte dessas pessoas (76,7%) trabalhava no varejo, enquanto 15,3% atuavam no atacado e 8% no comércio de veículos, peças e motocicletas. Nas empresas de comércio paraibanas, o salário médio mensal correspondia a 1,4 salários mínimos, um dos menores do Brasil.

Por outro lado, apesar da expansão de postos de trabalho, houve queda no número de unidades locais de empresas comerciais, em todas as comparações. Em 2019, havia cerca de 20 mil no estado, o que aponta para retrações de 20,6%, em relação a 2010, e de 7,3%, em relação a 2018.

A redução mais intensa, porém, foi de 25,8%. Essa diminuição ocorreu em comparação com 2011, ano em que foram constatados os maiores indicadores na última década da pesquisa, com 27 mil unidades locais.

Já a receita bruta de revenda de mercadorias foi de R$ 47,66 bilhões, em 2019. Desse montante, cerca de 54,3% correspondiam ao varejo, 37,2% ao atacado e 8,4% ao comércio de veículos, peças e motocicletas. No cenário do Nordeste, a Paraíba ganhou participação ao longo dos anos e o indicador aumentou de 6,9%, em 2010, para 7,4%, em 2019.

Por sua vez, a margem de comercialização foi de R$ 9,48 bilhões, também com maior percentual referente ao comércio varejista (62,3%); seguido pelo atacadista (30,2%); e pelo de veículos, peças e motos (7,5%). Esse indicador é obtido por meio da diferença entre a receita líquida de revenda e o custo das mercadorias revendidas.

Últimas