Cidades Prefeito de Santa Inês é preso por estupro de estudante no Maranhão

Prefeito de Santa Inês é preso por estupro de estudante no Maranhão

Vítima estava há 20 dias na cidade para vender livros a fim de arrecadar dinheiro para igreja

Prefeito de Santa Inês é preso por estupro de estudante no Maranhão

Prefeito Ribamar Alves deve aguardar decisão da Justiça preso no Maranhão

Prefeito Ribamar Alves deve aguardar decisão da Justiça preso no Maranhão

Divulgação/ Prefeitura Santa Inês

O prefeito de Santa Inês (MA), Ribamar Alves (PSB), de 61 anos, foi preso em flagrante suspeito de estuprar uma estudante missionária de 18 anos nesta sexta-feira (29). O crime teria acontecido na noite de quinta-feira (28).

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão, o político foi levado de helicóptero até a Superintendência da Polícia Federal do Interior, em São Luís, para prestar depoimento. Durante coletiva de imprensa, o secretário de Segurança Gerson Portela, o delegado geral da Polícia Civil, Lawrence Melo, e o delegado regional de Santa Inês, Raphael Reis, falaram sobre o caso.

De acordo com o delegado regional, a vítima mora no Paraná e estava em Santa Inês havia 20 dias de forma voluntária vendendo livros para arrecadar fundos para uma igreja. O nome dela não foi divulgado.

Na tarde de ontem, Alves participou de um almoço informal com o grupo de missionários e mostrou interesse em comprar R$ 70 mil em livros, que seriam distribuídos nas escolas públicas da cidade. No entanto, ele disse que fecharia o negócio apenas à noite.

Ainda segundo o delegado, horas depois, o prefeito foi até o local onde a jovem estava hospedada e a recebeu no carro dele. Durante a conversa, o homem teria proposto que compraria os livros se a estudante fizesse sexo com ele, mas a jovem não aceitou. Em seguida, o prefeito levou a estudante até um motel, onde a estuprou. Após o crime, a vítima procurou uma delegacia e denunciou o estupro.

A polícia iniciou as diligências e prendeu o prefeito nesta manhã. A vítima passou por exames de conjunção carnal no IML (Instituto Médico Legal) de São Luís. Alves deve ser encaminhado à uma unidade prisional para aguardar a decisão da Justiça.

O político, que também é médico, já se envolveu em caso semelhante em 2013, após uma juíza de Santa Inês alegar que ele tentou beijá-la à força, informou a secretaria.

Experimente: todos os programas da Record na íntegra no R7 Play

    Access log