Cidades Projeto propõe reorientação para homens acusados de violência doméstica

Projeto propõe reorientação para homens acusados de violência doméstica

Homens que estão respondendo a processo por violência contra mulheres participam, nesta quinta-feira (17), às 19h, do lançamento da 2ª turma do projeto ‘Refletir’, que tem o objetivo de ofertar oficinas para despertar a consciência da não violência contra mulheres e evitar reincidências. O projeto é uma parceria do Ministério Público da Paraíba (MPPB) por […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio
Sede do MPPB em João Pessoa (Foto: Divulgação)

Homens que estão respondendo a processo por violência contra mulheres participam, nesta quinta-feira (17), às 19h, do lançamento da 2ª turma do projeto ‘Refletir’, que tem o objetivo de ofertar oficinas para despertar a consciência da não violência contra mulheres e evitar reincidências.

O projeto é uma parceria do Ministério Público da Paraíba (MPPB) por meio da Promotoria de Justiça de Defesa da Mulher de Bayeux e do Serviço Pastoral dos Migrantes do Nordeste (SPM-NE). A solenidade ocorrerá na sede do SPM, localizada à Rua Senador Rui Carneiro, nº 40, no Conjunto Mário Andreazza.

O ‘Refletir’ tem intuito de ser uma formação cidadã, despertando a consciência dos homens inscritos para a não violência contra as mulheres.

O educador Diego da Silva Jacinto ressalta que as oficinas geram mudança de comportamento nos homens que participam do projeto.

“O projeto tem esse objetivo de levar esses homens a refletir sobre as próprias condutas e nós fazemos isso a partir de discussões sobre gênero, cultural patriarcal e a Lei Maria da Penha. Com essas discussões eles são levados a refletirem sobre o conjunto de atitudes violentas que violam os direitos das mulheres”, disse.

A Promotora de Justiça de Defesa da Mulher de Bayeux, Fabiana Lobo, explicou que o projeto surgiu em João Pessoa e já há experiências similares replicadas em outras cidades pelo Ministério Público da Paraíba, a partir da coordenação da promotora Dulcerita Alves, e que em Bayeux a implantação se fez necessário devido ao grande volume de casos de violência doméstica.

“Em Bayeux nós temos percebido que a violência contra a mulher é muito grande, desde as ameaças até atos extremos. A questão da posse e não aceitar o fim do relacionamento é uma das principais motivações para as agressões, por isso, o projeto Refletir seleciona homens em processo de violência. Quando vamos analisar os casos e fazer a triagem percebemos que há muitos homens empregados, com família constituída, mas que esse comportamento pode ser revertido”, ressaltou.

O curso tem uma carga horária total de 20h, sendo um encontro por semana, e os homens que participam acabam tendo o curso como um atenuante a ser levado em consideração pelo magistrado no julgamento do processo. Mesmo após encerrado o curso, o Ministério Público da Paraíba monitora os homens inscritos no projeto por mais seis meses para se certificar que os homens acusados de agressão contra as mulheres não reincidiram na prática.

Últimas