Cidades Quarto Montessoriano estimula o desenvolvimento de criança

Quarto Montessoriano estimula o desenvolvimento de criança

Conteúdo patrocinado. Você já deve ter visto em home centers aquelas casinhas

Portal Correio

Conteúdo patrocinado. Você já deve ter visto em home centers aquelas casinhas no chão que, na verdade, são camas para as crianças. Provavelmente também se questionou de onde surgiu essa ideia. Pois bem… Elas têm relação com o método Montessori no ato de projetar ambientes interiores e, embora muito buscada atualmente, não se resume apenas à solução estética da casinha.

Segundo a professora mestra Maiara Belo, de Design (de Interiores Gráfico) e Arquitetura e Urbanismo do Unipê, o ato projetual de design de interiores é um instrumento de adequação, melhoramento ou transformação das relações de usos das pessoas com os espaços, afetando os pensamentos e as ações de quem os utiliza. Assim, essa relação se estreita ainda mais quando a ambientação de interiores usa o método montessoriano, perspectiva educacional criada pela psiquiatra e pedagoga italiana Maria Montessori nas décadas finais do século 19.

Essa metodologia aplicada na prática projetual de interiores “estimula o senso de pertencimento, identificação e de integração com o espaço, com a criação de projetos únicos que levam em consideração as individualidades e necessidades de acordo com cada fase da vida”. Mas para ter êxito, e inclusive gerar algumas habilidades nas crianças, é necessário um olhar macro na implantação do projeto, indo além das escolhas estéticas como a famosa “casinha no chão”.

“Se faz necessário que o ambiente esteja inserido em um contexto emocional sereno, pacífico, afável e respeitoso tanto com as crianças como com os adultos, de forma que se possa criar condições de convivência harmoniosa e equilibrada. Assim sendo, tais espaços podem ser estimuladores da geração de habilidades de organização, concentração, criatividade, estímulo à curiosidade, responsabilidade, estímulos sensoriais, descobertas e inteligência/controle emocional”, elenca Maiara.

Mas o que transforma um espaço em um Quarto Montessoriano?

É no quarto onde principalmente descansamos; e com o uso desse método no projeto, o ambiente deve possibilitar o desenvolvimento eficaz do usuário e o estímulo sensorial e de novas descobertas. Tudo deve ser pensado para garantir a interação da criança com ele, como os objetos (brinquedos, mobiliários, decoração, adornos), espaços de leituras, pinturas, brincadeiras e criação, que devem estar em harmonia.

“Para isso, cabe ao projeto de interiores a análise da distribuição dos usos e ocupação dos espaços, a organização dos objetos, brinquedos, entre outros itens, dispondo-os da forma mais favorável para o processo de uso e estimulação do aprendizado individual, sem a necessária intromissão do adulto”, assinala Maiara.

Para ela, a criança deve interagir com o espaço onde está inserida, já que o quarto é um espaço de alta permanência temporal. “É preciso que se pense em variados aspectos técnicos, como acessibilidade, ergonomia, conforto ambiental e suas variáveis térmicas, lumínicas e acústicas. Mas sem esquecer das questões estéticas, como a escolha das cores, tapetes, espelhos e/ou elementos decorativos em geral”, atenta.

Nesse contexto, Maiara vai além e entende a casa como um organismo, que deve estimular a harmonia e a integração/interação entre os espaços e seus usuários. Por isso, o método Montessori “pode e deve ser levado para outros espaços da casa como salas, varandas e até mesmo cozinhas como forma de auxiliar um desenvolvimento mais holístico das crianças”.

Últimas