Sesi na Paraíba é investigado pela PF por irregularidades em obras

CGU calcula que prejuízo de 2 milhões. São cumpridos 28 mandados de busca e apreensão em Campina Grande, João Pessoa e Queimadas

PF investiga Sesi na Paraíba por suspeita de superfaturamento em obra

PF investiga Sesi na Paraíba por suspeita de superfaturamento em obra

Reprodução / Agência Brasil

A unidade do Sesi (Serviço Social da Indústria) da Paraíba é alvo de uma operação, deflagrada nesta quinta-feira (2), pela Polícia Federal, CGU (Controladoria-Geral da União) e Ministério Público Federal para apurar suspeitas de irregularidades em obras contratadas pela entidade.

Leia mais: Polícia faz operação contra compra irregular de testes de covid

Noventa e seis policiais federais e nove auditores da CGU, que participam da chamada Operação Cifrão, estão cumprindo 28 mandados judiciais de busca e apreensão em endereços de Campina Grande, Queimadas e da capital, João Pessoa.

Segundo a CGU, ao auditar as contas da unidade paraibana do Sesi, técnicos encontraram indícios de superfaturamento em três obras de construção e reforma de centros de atividades da entidade no estado. A controladoria calcula que o prejuízo pode superar os R$ 2 milhões do dinheiro que o Sesi recebe por meio de contribuições compulsórias feitas por indústrias de todo o país.

Veja também: CGU e PF investigam desvio de recursos em obras na Bahia

Indícios de fraudes em processos

Ainda de acordo com a CGU, os auditores também encontraram indícios de fraudes em processos licitatórios e vínculos entre os sócios das empresas contratadas e colaboradores e dirigentes do Sistema Indústria da Paraíba – ao qual o Sesi está ligado.

“Com o aprofundamento das apurações pelos órgãos parceiros, foram descobertas movimentações entre as contas bancárias das empresas contratadas e de pessoas relacionadas, direta ou indiretamente, ao Sesi/PB, por meio de uma ginástica financeira, na tentativa de ocultar as aludidas transferências de recursos”, afirma a CGU, em nota.

Leia ainda: 'Tenho medo', diz professora alvo de atentado em SP; PMs são suspeitos

Também em nota, a Fiep (Federação das Indústrias do Estado da Paraíba) informou que só teve conhecimento das investigações esta manhã. “Todos os documentos solicitados foram entregues à Controladoria Geral da União, Polícia Federal e Ministério Público Federal com o intuito de contribuir com as investigações e elucidação dos fatos”, afirma a entidade, garantindo que irá colaborar com a apuração.