Cidades Vacina poderá chegar à Paraíba até março, espera secretário

Vacina poderá chegar à Paraíba até março, espera secretário

A Paraíba poderá receber as primeiras doses de uma vacina contra o

Portal Correio

A Paraíba poderá receber as primeiras doses de uma vacina contra o coronavírus até março de 2021. A expectativa é do secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, que foi entrevistado nesta segunda-feira (7) no Correio Debate, da Rede Correio Sat, em João Pessoa.

Leia também:

Ministério da Saúde cria comitê para acompanhar vacina de Oxford Brasil terá 15 mi de doses da vacina de Oxford em janeiro, diz Pazuello

Segundo ele, ainda não há nenhuma vacina com registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que demora cerca de dois meses para ocorrer. Porém, ele acredita que o processo deverá ser acelerado para que a imunização comece mais rápido.

O secretário pediu que a população não tenha medo da vacina porque ela não trará riscos à saúde após ser aprovada pela Anvisa. O Estado aguarda definições do Ministério da Saúde para conduzir o programa de imunização contra o coronavírus e não pretende fazer acordos bilaterais com países para aquisição de doses, sem a participação do Governo Federal, por falta de recursos para as altas contrapartidas previstas.

‘Lockdown’

Geraldo Medeiros voltou a afirmar que o Estado não tem a intenção de fechar cidades por meio de ‘lockdown’, o que provocaria mais prejuízos à economia, mas reforça que a população deve colaborar parta que isso não ocorra.

Ele pede que as pessoas sigam as instruções de segurança sanitárias, como uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento social para que não haja retrocesso na flexibilização. Medeiros já havia falado sobre isso no sábado (5), durante entrevista coletiva conjunta com outros órgãos do Estado e do Município de João Pessoa.

Jovens estão adoecendo mais

O secretário avalia que a população jovem da Paraíba está contraindo mais o coronavírus. Mesmo que a maioria dos casos não se agrave entre jovens, eles são os principais responsáveis por levar o vírus para casa, provocando infecção em pessoas mais velhas e uma piora no quadro epidemiológico do estado.

Aglomerações em festas e na campanha

O secretário voltou a criticar festas, eventos e aglomerações de pessoas, comuns em fins de semana e que desrespeitam as regras sanitárias. A população deve denunciar por meio dos telefones 190, da Polícia Militar em todo o estado, ou 160, da Ouvidoria Municipal de João Pessoa.

Além disso, ele apontou que as campanhas e festas políticas com aglomeração de pessoas, durante o período eleitoral, agravaram a situação da pandemia no estado. No Sertão, onde se identificou uma grande quantidade desses eventos, o quadro é preocupante e os hospitais da região estão com média de 90% de ocupação. Algumas unidades alcançaram 100% e há pacientes sendo transferidos para hospitais de Campina Grande.

Volta às aulas

O secretário não soube precisar quando será possível a retomada das aulas presenciais. Ele aguarda mais dados do inquérito sorológico feito pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) para definir sobre os rumos da educação na Paraíba.

O inquérito “Continuar cuidando – Observatório da Covid-19” tem como objetivo conhecer o cenário epidemiológico do vírus na Paraíba e subsidiar a retomada lenta e gradual de atividades futuras, como o retorno seguro das aulas presenciais.

Segundo a SES, o inquérito sorológico é pioneiro no país pelo modelo abrangente e gira em torno do perfil de saúde e sociodemográfico das famílias. A pesquisa vai abordar, além das questões de saúde, qual o entendimento da população em relação à retomada das atividades da rede de ensino na Paraíba.

Últimas