Cidades Violoncelista Amanda Reis é atração do programa ‘Recitais Digitais’ deste sábado

Violoncelista Amanda Reis é atração do programa ‘Recitais Digitais’ deste sábado

O programa Recitais Digitais deste sábado (15), realizado pela Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa (OSMJP), sob a coordenação do maestro Samuel Espinoza, traz como convidada especial a violoncelista da OSMJP, Amanda Reis. Ela vai executar obras de nomes famosos da música clássica, a partir das 18h, pelo canal oficial da Orquestra no YouTube.          “O […]

Portal Correio
OSMJP

OSMJP

Portal Correio
Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa (Foto: Divulgação/ Rafael Passos)

O programa Recitais Digitais deste sábado (15), realizado pela Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa (OSMJP), sob a coordenação do maestro Samuel Espinoza, traz como convidada especial a violoncelista da OSMJP, Amanda Reis. Ela vai executar obras de nomes famosos da música clássica, a partir das 18h, pelo canal oficial da Orquestra no YouTube.         
 
“O projeto recitais digitais veio para mostrar à comunidade e ao público em geral o valor dos nossos músicos da OSMJP. Estamos alternando, a cada 15 dias, um instrumentista de sopro e um de cordas. Semana passada, foi um trombonista e esta semana será a violoncelista. Eles trazem para nossa música um repertório variado”, observou o maestro Samuel Espinoza.
 
A violoncelista Amanda Reis vai focar num dueto com violão numa peça do compositor brasileiro Radamés Gnattali. Em seguida, ela vai trazer uma peça do violoncelista e criador de métodos para violoncelos David Popper, e vai finalizar com uma grande cena de sonata para violoncelo e piano com César Franck.
 
“Esta última, na verdade, escrita originalmente para violino, foi adaptada para violoncelo. É uma das peças mais conhecidas e belas da história da música. Isso é o que nós teremos e o que público poderá esperar”, comentou Espinoza.
 
Amanda Reis afirmou que a expectativa é muito grande para sua participação no projeto. “Resgatamos algumas gravações e as obras são um misto de uma viagem que começamos pelo Brasil, seguimos pela Hungria e terminamos na França. São três repertórios bem distintos que, ao mesmo tempo, se complementam e dão um ar melancólico, mas que pode desencadear vários sentimentos. Espero que minha participação seja muito colaborativa e que as pessoas possam nos prestigiar”, frisou.

Últimas