Batida em poste com carro milionário interrompe rotina discreta de empresário em Brasília

Basile George Pantazis mora na capital e tem empresa questionada na Justiça

O empresário Basile Pantazis perdeu o controle do Ford GT ao sair de um posto de gasolina no Lago Sul

O empresário Basile Pantazis perdeu o controle do Ford GT ao sair de um posto de gasolina no Lago Sul

Alex Silva/Internauta

A batida de um Ford GT, carro avaliado em R$ 1,3 milhão, contra um poste do Lago Sul, área nobre do Distrito Federal, no sábado (28), tirou do anonimato um empresário milionário, que mora na Capital Federal e que tem empresa questionada na Justiça. Basile George Pantazis, sócio de uma fornecedora de manufaturados, teve negócios investigados pela CPI do Mensalão. 

Na Justiça Federal de Curitiba, uma ação contra a Dismaf, empresa que tinha Pantazis como sócio, corre um processo de execução fiscal no valor de R$ 26. 243,56. A Receita Federal afirma que os cálculos dos lucros da empresa eram ocultados. 

Antes disso, em 2010, a empresa foi proibida de contratar com órgãos públicos, após fraudes no fornecimentos de bolsas de carteiros aos Correios. O Tribunal de Contas da União aponta "irregularidades gravíssimas" no processo de escolha da empresa e afirma que o processo pode ser ter sido direcionado. 

Leia mais notícias do R7 DF

Ford GT avaliado em R$ 1,3 milhão fica destruído após acidente no Lago Sul, em Brasília

O TCU chegou à mesma conclusão em um processo que analisa uma licitação da Valec, estatal responsável pela construção de ferrovias, para o fornecimento de trilhos. A Dismaf foi a vencedora do processo, mas os ministros do TCU encontraram indícios de graves irregularidades. Por diversos problemas, que incluem a qualidade dos materiais fonercidos, o relator do processo no TCU, Walter Alencar Rodrigues, lembrou que a empresa participou do processo seletivo com restrições.

— A Dismaf escontra-se sancionada com a penalidade de suspensão do direito de licitar e de contratar com a Administração até 10 de julho de 2015, diz trecho do relatório. 

A reportagem do Portal R7 tentou contato com advogados do empresário, mas não os encontrou para comentar o caso.