Distrito Federal Criança que aguardava liberação de remédio à base de maconha morre no DF

Criança que aguardava liberação de remédio à base de maconha morre no DF

Gustavo Guedes, de 1 ano e três meses, sofria de uma síndrome rara conhecida como Darvet

Criança que aguardava liberação de remédio à base de maconha morre no DF

"Você amou intensamente o Gustavo e lutou incansavelmente por ele", diz um dos comentários deixados à mãe da criança

"Você amou intensamente o Gustavo e lutou incansavelmente por ele", diz um dos comentários deixados à mãe da criança

Facebook;Reprodução
O pedido de vista de um dos conselheiros da Anvisa adiou decisão  sobre liberação do cannabidiol

O pedido de vista de um dos conselheiros da Anvisa adiou decisão sobre liberação do cannabidiol

Divulgação

A morte do menino Gustavo Guedes, de um ano e quatro meses, que sofria da Síndrome de Dravet, no último domingo (1º), em Brasília, no Distrito Federal, causou reações e tristeza nas redes sociais. A mãe da criança, Camila Guedes, postou a imagem de uma borboleta em sua página do Facebook e recebeu dezenas de mensagens de conforto. "Deus abençoe vocês, sinta-se abraçada. Você amou intensamente o Gustavo e lutou incansavelmente por ele", dizia um dos textos. A postagem recebeu mais de 200 curtidas e quase 50 comentários.   

A assessoria de imprensa do Hospital Santa Helena, na Asa Norte, região central de Brasília (DF), onde a criança estava internada, não deu informações sobre o caso. Segundo a assessoria, qualquer esclarecimento relacionado à criança necessita de autorização da família. O corpo de Gustavo Guedes será velado em Fortaleza (CE).   

A criança sofria uma doença rara que provoca crises epilépticas. Assim como os pais da menina Anny Fischer, de 5 anos, moradora do Distrito Federal, a mãe de Gustavo Guedes lutava pela liberação de um medicamento derivado da maconha, o canabidiol (CBD), que diminui consideravelmente o número de crises. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Santiária) ainda não liberou a importação da substância, logo, o medicamento ainda é proibido no Brasil.   

Na última quinta-feira (29), a mãe de Anny Fischer, Katiele Bortoli, e Camila Guedes assistiram à audiência da Anvisa sobre a liberação ou não do cannabidiol da lista de controle especial. Um pedido de vista de um dos conselheiros adiou a decisão, ainda sem data denifida. No dia, o pai de Anny, Norberto Fischer, se disse decepcionado com a demora da Anvisa em deliberar sobre a medicação.   

— O nosso sentimento é de muito pesar, a gente está triste, decepcionado. Não há motivação para a Anvisa demorar tanto para tomar a decisão. No tempo da Anvisa está a saúde da nossa criança.   

Leia mais notícias no R7 DF

Justiça autoriza que pais importem componente da maconha para tratamento da filha

Em sua página do Facebook, neste domingo (1º), Norberto Fischer lamentou a morte de Gustavo Guedes. "Perdemos mais um guerreiro na luta contra a epilepsia refratária, o Gustavo, filho da Camila Guedes, força, estamos todos com você", escreveu.  

Caso Gustavo

Depois de assistir à luta dos pais de Anny Fischer pela liberação do medicamento à base de maconha, a mãe de Gustavo, Camila Guedes, trabalhou para conseguir o mesmo direito para o filho. Pesquisando sobre a doença, Camila descobriu que o uso medicinal do CBD é uma chance para diminuir as crises e, no dia 3 de abril, procurou a Anvisa. Oito dias depois foi protocolado o pedido para a importação do CBD para o Gustavo.   

— Uma história leva a outra. A mãe da Anny me levou a isso e eu já conversei com outra mãe sobre o assunto. Vi que era uma coisa que ela conseguiu fazer aqui em Brasília com a filha dela, então eu também ia poder fazer com o meu filho, disse Camila na época.      

Assista ao vídeo: