Empresa é condenada por prometer “corpo sarado” com uso de creme ao dormir

Responsável por produto terá de pagar R$ 100 mil por propaganda enganosa

De acordo com a acusação, foram realizados estudos que atestaram que o creme não cumpria o prometido

De acordo com a acusação, foram realizados estudos que atestaram que o creme não cumpria o prometido

Divulgação

O TJDF (Tribunal de Justiça do Distrito Federal) condenou a empesa fabricante do Lipocosmetic por propaganda enganosa e danos morais. O valor a ser pago pela empresa é de R$ 100 mil, conforme a sentença. A publicidade do produto prometia ao consumidor, segundo a Justiça, ter um "corpo sado sem esforço e com praticidade” e mostrava imagens de “mulheres magras e com corpos esculturais para reforçarem a suposta veracidade de pessoas que utilizaram o produto”.

A sentença condenou a empresa responsável pelo produto por danos morais, que deve ser revertido em favor do fundo de defesa do consumidor. Foi determinada também o fim da publicidade do produto. 

Segundo o texto da sentença, “com todo o respeito devotado aos consumidores queixosos, certo é que as conclusões por eles alcançadas estão absolutamente desassociadas da realidade e não representam, efetivamente, o entendimento do consumidor médio.”

Leia mais notícias no R7 DF

Veja as fotos: Após viver experiência sexual mal sucedida, bióloga do DF emagrece 60kg

“É o único tratamento redutor de medidas e volumes que a fará perder até 2cm de tamanho enquanto dorme, já nas primeiras semanas de aplicações” ou ainda “seca a sua gordura, porque aumenta o seu gasto de energia calórica enquanto dorme, as suas células inflamadas são ativadas, fazendo com que se contraiam e retraiam dando um efeito de drenagem na pele. É como se tivesse se exercitando”, prometia o anúncio do produto, de acordo com o processo.

De acordo com a acusação, foram realizados estudos que atestaram que o creme não cumpria o prometido nos anúncios. A acusação afirmou que a publicidade do produto iludia o consumidor.

A reportagem do R7 DF não conseguiu o contato da empresa responsável para comentar sobre a sentença judicial.