Estudantes da UnB constroem mini avião e recebem prêmio da Embraer

Projeto custa em média R$ 20 mil, chega a 100 km/h e pode voar a 50 metros de altura

Os alunos gastam em média R$ 20 mil por projeto e procuram aperfeiçoar a mini aeronave a cada competição

Os alunos gastam em média R$ 20 mil por projeto e procuram aperfeiçoar a mini aeronave a cada competição

Reprodução / TV Record Brasília

Um grupo de estudantes de engenharia mecânica da UnB (Universidade de Brasília) construiu um avião que pode voar até 50 metros de altura e ainda carregar peso. A mini aeronave tem 2,5 metros de uma asa a outra e um 1,8 metro de comprimento.  

A engenhoca ficou em 10º lugar no campeonato brasileiro de engenharia, promovido pela Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica). O estudante Rodrigo Bicalho explicou que o resultado foi um dos melhores alcançados pela equipe.

— Foram 76 equipes e ficamos na 10ª colocação. Vamos fazer 10 anos agora e 2013 foi um excelente ano.

Por questões de segurança, só um piloto profissional pode fazer o avião voar, conforme explicou o aluno de Engenharia Aeroespacial da UnB Higor Barbosa. 

Ele explicou que a aeronave, projetada e desenvolvida pelos estudantes dentro da oficina da universidade, atinge até 100 km/h.

— Nosso avião é projetado para levar a maior carga possível e a gente sabe que ele chega a uma velocidade considerável. Juntando esse peso com a velocidade pode se tornar algo muito perigoso.

Leia mais notícias no R7 DF    

Para desenvolver o projeto, os alunos gastam em média R$ 20 mil. João Luiz Peres é outro aluno que participa da equipe e ele disse que todo o investimento, apesar de alto, compensa.

Ele explicou que a equipe está sempre motivada, criando e estudando novas tecnologias na oficina, onde passa a maior parte do tempo.

Este ano, por exemplo, mal começou e ele garantiu que o mini avião já está sendo aprimorado para a próxima competição. A ideia é melhorar ainda mais os resultados.

— O regulamento não saiu ainda, mas a gente já está encaminhando o projeto visando a primeira colocação.

Apesar de pequena, a invenção ajuda nos avanços da tecnologia de grandes aeronaves. 

Assista ao vídeo: