Jornal de Brasília Alemanha disponibiliza 13 milhões de documentos de campos de concentração nazistas

Alemanha disponibiliza 13 milhões de documentos de campos de concentração nazistas

Treze milhões de documentos dos campos de concentração nazistas, incluindo fichas de prisioneiros e registros de mortos podem agora ser acessados por meio do Serviço Internacional de Buscas na Alemanha. Entre os arquivos há informações sobre o destino de 2,2 milhões de vítimas do Holocausto.

Treze milhões de documentos dos campos de concentração nazistas, incluindo fichas de prisioneiros e registros de mortos podem agora ser acessados por meio do Serviço Internacional de Buscas na Alemanha. Entre os arquivos há informações sobre o destino de 2,2 milhões de vítimas do Holocausto.

Jornal de Brasília

Jornal de Brasília

Jornal de Brasília

Fonte: Confederação Israelita do Brasil – Conib 

Treze milhões de documentos dos campos de concentração nazistas, incluindo fichas de prisioneiros e registros de mortos podem agora ser acessados por meio do Serviço Internacional de Buscas na Alemanha. Entre os arquivos há informações sobre o destino de 2,2 milhões de vítimas do Holocausto.

O trabalho foi realizado com a ajuda do Yad Vashem de Israel- instituto criado em 1953 para pesquisa e divulgação do Holocausto e situado em Jerusalém.

O arquivo, situado em Bad Arolsen, segundo as palavras de sua diretora Floriane Azoulay,  “é muito importante que os documentos originais possam estar disponíveis para as futuras gerações”. 

Não só os pesquisadores do Holocausto terão novas fontes para estudos e pesquisas com livre acesso a novos dados da maior tragédia do século XX, mas também outros interessados – jornalistas, documentaristas e editores- como os parentes interessados em localizar o paradeiro das vítimas.

O pesquisador do Grupo da Carta do Oriente Médio da Associação Cultura Israelita de Brasília (ACIB), Mourad Belaciano, avalia que com essa medida, será possível ampliar o conhecimento que se tem sobre o Holocausto, inclusive novas informações poderão ternar-se públicas “ajudando a combater o negacionismo e o lema ‘Nunca Mais’ a tornar-se realidade”.

Criado pelos aliados ocidentais nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial e inicialmente dirigido pela Cruz Vermelha, o órgão também anunciou que está mudando seu nome para “Arolsen Archives – Centro Internacional de Pesquisa sobre Perseguição Nazista”.

Link para acessar a documentação:

https://arolsen-archives.org/en/privacy-policy/?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Newsletter+Conib+-+23-05-19