Cadela fica ao lado do caixão da dona durante velório e emociona

Cadela fica ao lado do caixão da dona durante velório e emociona

A cadela Belinha era a companheira e “enfermeira” de Telma Maria de Andrade, que morreu aos 53 anos em decorrência de câncer na quinta-feira, 8. Dionísio Neto, filho de Telma, conta que durante o velório da tutora, na sexta-feira, 9, a cachorra ficou o tempo todo ao lado do caixão.

“As pessoas chegavam e já viam Belinha perto de minha mãe. Ela ficou ali o tempo inteiro e surpreendeu a todos”, relata. A cadela vive com a família desde que nasceu, há quatro anos, e sempre esteve ao lado de Telma, que lutava contra o câncer há seis anos.

Segundo Dionísio, a cachorra acordava sua mãe diariamente, as duas dividiam o pão do café da manhã, sentavam lado a lado na cadeira e durante à noite Belinha ficava em baixo da rede em que Telma dormia.

Jornal de Brasília

Jornal de Brasília

Jornal de Brasília
Arquivo Pessoal

“Mesmo depois de morta, minha mãe está ensinando que o amor não é apenas do ser humano. Minha mãe e Belinha mostram que o amor dos animais é algo superior ao que a gente imagina”, diz Dionísio.

Telma morava em Teresina, no Piauí, com o filho Dionísio, o marido e a cadela. Dionísio conta que, após o sepultamento de Telma, Belinha está triste e chorosa no quarto. Ele afirma que a companheira da mãe será levada para visitar o túmulo nesta quarta-feira, 14.

Jornal de Brasília

Jornal de Brasília

Jornal de Brasília
Arquivo Pessoal

The post Cadela fica ao lado do caixão da dona durante velório e emociona appeared first on JBr..