Proprietária da casa atingida por avião no Entorno do DF foi salva por chamado da vizinha

Minutos antes do acidente, Cornélia Meireles, 74 anos, abria o portão para entrar em casa

A proprietária da casa que foi atingida por um avião monomotor na noite do último sábado (10), em Luziânia (GO), cidade do Entorno do Distrito Federal, está em estado de choque. Cornélia Meireles, 74 anos, foi "salva por um triz”. Ela tentava abrir o cadeado da casa para entrar quando sua vizinha a gritou, chamando para ir até a sua casa "rezar um terço". Logo em seguida o avião caiu.

O piloto da aeronave, João Henrique Baeta, e a namorada dele, Maysa Santos, morreram no acidente. Outros dois passageiros ficaram feridos.

Nilda Caxeta, de 47 anos, amiga íntima do casal de idosos que morava na casa, acredita que a idosa ter sobrevivido ao acidente foi um milagre.

— Foi coisa de Deus. Na hora [do acidente] ela estava chegando em casa, quando ela ia abrir o portão, a vizinha aqui da esquina chamou ela e quando ela foi atravessar a rua o avião desceu aqui. Com o vento, ela caiu no chão e o avião caiu lá [na casa]. Se a vizinha não chama, ela tinha morrido.

Leia mais notícias no R7 DF

Vídeo mostra avião caído em cima de casa e desespero de vizinhos no entorno do DF

Veja fotos do casal morto em acidente de avião que caiu em cima de uma casa

Cornélia tem problema cardíaco e, com o susto, tem ido e voltado do hospital desde que o acidente aconteceu. Sempre que lembra de sua casa destruída, volta a passar mal e precisa de atendimento médico. Em Luziânia, o R7 DF tentou conversar com a idosa, mas ela permanece calada, em estado de choque. Nilda, sua amiga, conta que ela só tem forças para chorar.

— Ela não consegue falar nada, só chora. É uma pessoa de idade muito apegada com as coisas dela. Então, ela sente que não vai dar conta de arrumar a casa dela mais, por isso está em estado de choque. A sobrinha dela a trouxe aqui para que ela visse que não estragou todas as coisas dela, mas ela não fala com a gente. Única coisa que ela fez foi me abraçar e dizer ‘ai, se eu tivesse ali tinha morrido, minha filha’. Chorou, começou a passar mal e a sobrinha levou de novo.

Cornélia não teve filhos e vivia na casa apenas com seu marido, Otávio Meireles, que, por sorte, também não estava no local no momento do acidente.

Segundo informações do Capitão Vinícius Voltolini, oficial investigador do Seripa VI (Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) o avião fazia um voo dentro de Luziânia quando ocorreu o acidente. A Aeronáutica investiga as causas do acidente.