Ações da China terminam em baixa por coronavírus mas esperanças de estímulo limitam perdas

XANGAI (Reuters) - As ações da China encerraram a primeira sessão do segundo trimestre em baixa nesta quarta-feira, em linha com os mercados asiáticos em geral, embora as perdas tenham sido limitadas pelas esperanças de que Pequim divulgue mais medidas para reforçar a economia atingida pela pandemia de coronavírus.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,3%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,57%.

O subíndice do setor financeiro teve variação positiva de 0,04%, o de consumo teve queda de 0,93%, o setor imobiliário subiu 1,12% e o subíndice de saúde recuou 1,51%.

As perdas no continente foram relativamente limitadas devido à esperança de mais estímulos para ajudar a sustentar a segunda maior economia do mundo.

A China intensificará os ajustes de política fiscal e monetária para combater o impacto do surto de vírus, informou a mídia estatal na terça-feira, citando uma reunião do gabinete presidida pelo premiê Li Keqiang.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 4,50%, a 18.065 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 2,19%, a 23.085 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,57%, a 2.734 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,30%, a 3.675 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 3,94%, a 1.685 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,46%, a 96.663 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 1,65%, a 2.440 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 3,58%, a 5.258 pontos.