Economia Acordos entre Brasil e China incluem venda de aviões da Embraer

Acordos entre Brasil e China incluem venda de aviões da Embraer

Maior parceiro comercial do Brasil, país asiático pretende ampliar as relações 

  • Economia | Da Agência Brasil

Dilma e Xi Jinping se reuniram nesta quinta-feira em Brasília

Dilma e Xi Jinping se reuniram nesta quinta-feira em Brasília

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Maior parceiro comercial do Brasil, com R$ 199 bilhões (US$ 90 bilhões) em transações no ano passado, a China pretende ampliar as relações com o País e atuar de forma coordenada em organismos internacionais multilaterais. Após cerimônia de assinatura de acordos bilaterais com a presidente Dilma Rousseff, o presidente chinês, Xi Jinping, defendeu também a “ampliação dos consensos”.

Já a presidente Dilma Rousseff destacou a disposição da China de investir em setores estratégicos no Brasil, como o de energia, por meio de parcerias na construção de hidrelétricas e de linhas de transmissão, e os de petróleo e aviação, com a compra de aeronaves fabricadas pela Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica).

Para Jinping, a China e o Brasil, como “importantes países do mercado emergente e encontrando-se como Estados-chave de desenvolvimento”, podem impulsionar também o avanço dos demais países em desenvolvimento.

— Com esta visita, tenho mais convicção do desenvolvimento do Brasil e da China e de que as duas partes vão continuar apoiando o caminho do desenvolvimento, a enfrentar os desafios e compartilhar oportunidades com o objetivo de usar seu desenvolvimento para o crescimento de todos os países emergentes.

Banco dos Brics pode ser veículo para ampliar influência da China no mundo

Líderes dos Brics assinam hoje criação de novo banco de desenvolvimento

As relações entre o Brasil e a China são promissoras, disse a presidente Dilma Rousseff.

— A visita do presidente da China marca o quadragésimo aniversário das relações diplomáticas entre os dois países. O balanço não poderia ser mais positivo e o futuro não poderia ser mais promissor. Nossas relações reconfiguram uma parceria estratégica em diversas áreas de cooperação.

Com criação do Brics, empresários querem competir em ambiente de igualdade nos cinco países

A expectativa de Jinping é que os acordos firmados nesta visita ao Brasil permitam o “aumento contínuo” do comércio bilateral. Ele revelou o grande interesse dos chineses em investir em obras de infraestrutura, logística, petróleo, minério de ferro e agricultura.

— Estamos dispostos a conduzir cooperação estratégica para construção de estradas de ferro e também em tecnologia e internet e a elevar nossa cooperação comercial em todos os âmbitos: ONU [Organização das Nações Unidas], OMC [Organização Mundial do Comércio], G20 [grupo das 20 maiores economias do mundo] e Brics [grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul].

Na cerimônia, Dilma apresentou ao presidente chinês oportunidades em licitações ferroviárias, aeroviárias e ferroviárias.

— Neste sentido, ressaltamos o memorando de entendimento sobre cooperação ferroviária. Reiterei ao presidente Xi Jinping minha expectativa sobre a participação de empresas chinesas nos projetos brasileiros de infraestrutura e logística.

De acordo com a presidente, no setor industrial, a relação bilateral sai fortalecida com o anúncio de investimentos significativos para produção de maquinário destinado à construção civil, pela Sany, no valor de R$ 665 milhões (US$ 300 milhões), e de instalação da montadora Chery, ambas em Jacareí, São Paulo. Cada empreendimento gerará mil postos de trabalho, informou Dilma.

Putin diz que expansão do Brics não está na pauta de discussão

Troca direta de moeda e facilitação de vistos são pedidos de empresários aos países do Brics

Últimas