Economia Airbus A380, Pepsi Azul e outras ‘grandes ideias’ de negócios que fracassaram

Airbus A380, Pepsi Azul e outras ‘grandes ideias’ de negócios que fracassaram

Aeronave lançada pela empresa europeia em 2007 se une à lista de produtos que não decolaram, apesar de ter por trás uma empresa bem-sucedida

Airbus A380

Airbus A380 nunca rendeu lucro à empresa

Airbus A380 nunca rendeu lucro à empresa

Getty Images/BBC Brasil

O anúncio recente de que a Airbus tiraria de catálogo seu avião A380 não chegou a surpreender.

O modelo foi lançado pela empresa europeia em outubro de 2007 e desde o início fez menos sucesso do que concorrentes menores e mais eficientes. Nunca deu lucro.

Estima-se que a Airbus tenha investido US$ 25 bilhões no desenvolvimento do A380.

Sorvete Yopa, Orkut e TAM Fidelidade... Relembre produtos e marcas da sua infância que desapareceram

A aeronave é apenas mais um exemplo de produto que não decolou, apesar de ter por trás uma das empresas mais bem-sucedidas do mundo.

Como veremos, até gigantes tropeçam.

Pepsi Blue

Lançada em 2002, a Pepsi Blue (ou Pepsi Azul) era uma bebida com sabor de morango que a empresa não mediu esforços para promover. Até a cantora pop Britney Spears foi contratada, para atrair adolescentes.

No entanto, os problemas começaram cedo: a cor usada para o design, Blue1, é a mesma de um tipo de corante banido em vários países.

As vendas fracas fizeram a produção ser interrompida nos Estados Unidos em 2004. No entanto, o refrigerante ainda pode ser encontrado na Indonésia e nas Filipinas.

Galaxy Note 7, da Samsung

Lançada em agosto de 2016, essa versão de celular da Samsung saiu de mercado por questões de segurança.

Casos de aparelhos Note 7 entrando em combustão espontânea (até mesmo dentro de um avião nos Estados Unidos) resultou no recall de cerca de 2.5 milhões de telefones.

A Samsung insistiu que todos os aparelhos substituídos eram seguros, mas logo depois surgiram relatos de que as baterias deles também esquentavam além da conta, e o produto foi abandonado.

Zune nunca foi uma ameaça para o iPod

Zune nunca foi uma ameaça para o iPod

Getty Images/BBC Brasil

Zune, da Microsoft

Depois de ver a empresa rival Apple dominar o mercado de tocadores portáteis de música com o iPod, a Microsoft fez seu próprio aparelho.

O Zune tinha ferramentas que o iPod não tinha, como a capacidade de compartilhar canções com outros usuários sem precisar de acesso à internet.

Mas o produto não chegou a ameaçar a Apple e foi descontinuado em 2011.

Segway não virou um meio de transporte de massa

Segway não virou um meio de transporte de massa

Getty Images/BBC Brasil

Segway

Lançado em 2001, o transportador de duas rodas foi exaltado por críticos como revolucionário. O lançamento ocorreu ao vivo na televisão nos EUA.

Os criadores sonhavam com vendas de 10 mil unidades por semana, mas a realidade foi dura: em sete anos, menos de 30 mil segways foram vendidos.

O preço alto contribuiu para o fracasso. Hoje em dia, são usados apenas por profissionais de segurança e emergência.

Qwikster, da Netflix

Antes de ser um serviço de streaming de sucesso, a Netflix alugava DVDs e os mandava pelo correio. O serviço de streaming da Netflix estava decolando em 2011 e o CEO Reed Hastings achou que seria melhor manter o serviço de aluguel de DVDs por correio, só para garantir.

Foi assim que começou o Qwikster, como passaria a se chamar o serviço de aluguel. Mas a decisão de separá-lo da Netflix e cobrar uma assinatura à parte matou a ideia em um mês.

A FuelBand da Nike não colou

A FuelBand da Nike não colou

Getty Images/BBC Brasil

FuelBand, da Nike

A gigante Nike lançou esse aparelho de acompanhamento de treino em 2012.

Mas nem críticos, nem clientes ficaram impressionados. Também não mudou muito a indústria, dominada pela rival FitBit.

Em 2014, a Nike anunciou que interromperia a produção da FuelBand.

Aibo, da Sony

O cão robótico da Sony chegou ao mercado em 1999 como uma promessa: poderia atender a 100 comandos e até falar.

Mas ainda que as primeiras 3 mil unidades tenham sido vendidas em menos de uma hora, o Aibo nunca foi lucrativo.

A Sony encerrou a produção em 2006, mas no ano passado anunciou um retorno limitado. Os críticos ficaram chocados com o preço - quase US$ 3.000 por unidade.

EV1, da General Motors

Nem Elon Musk, nem Tesla: o primeiro carro elétrico a ser produzido em massa no mundo foi o EV1, da General Motors, lançado em 1996, nos EUA.

No entanto, tinha sérias limitações tecnológicas. O carro não funcionava em climas frios. Só era vendido em dois Estados americanos, a Califórnia e o Arizona.

Em quatro anos, a GM vendeu apenas 1.100 unidades. O EV1 teve sua produção descontinuada em 1999.

Trump University, de Donald Trump

O atual presidente dos EUA lançou um empreendimento tecnológico em 2005, prometendo ensinar às pessoas como ganhar dinheiro com o mercado imobiliário.

Fechou as portas em 2010 em meio a acusações de fraude e um processo de alunos frustrados.

Em março de 2017, já na Casa Branca, Trump fez um acordo de $25 milhões.