Inflação

Economia Aluguel de apartamento padrão no Brasil sai por quase R$ 2 mil ao mês

Aluguel de apartamento padrão no Brasil sai por quase R$ 2 mil ao mês

Valor médio sobe 0,77% no 1º semestre, aponta índice FipeZap. Preço médio da locação residencial sobe para R$ 30,68/m²

Preço do aluguel manteve estabilidade em junho

Preço do aluguel manteve estabilidade em junho

Fernanda Carvalho/Fotos Públicas

O brasileiro precisa arcar mensalmente com, em média, R$ 30,68 para cada metro quadrado do imóvel para viver de aluguel nas cidades pesquisadas pelo índice FipeZap de Locação. Com o valor médio, é possível afirmar que a locação de um apartamento padrão, com 65 m² e até dois dormitórios, sai por cerca de R$ 1.994 no Brasil.

Conforme os dados do indicador, o preço médio dos novos aluguéis residenciais permeneceu estável em junho, mas subiu 0,77% no acumulado dos primeiros seis meses de 2021.

Leia mais: Preço da casa própria tem maior alta mensal em sete anos

Apesar da alta, as variações do indicador seguem abaixo da inflação do mesmo período, registradas pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) e IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), de 3,77% e 15,08% no mesmo período, respectivamente.

Divulgação/FipeZap

Os número correspondem a uma queda real (abaixo da inflação oficial) de 2,89% no valor cobrado pelos novos aluguéis. Se a comparação for feita pelo IGP-M, índice conhecido como a "inflação do aluguel", o resultado é 12,43% inferior.

A alta nominal do FipeZap no semestre é impulsionada pelas variações registradas em Curitiba (+7,12%), Florianópolis (+3,78%), Recife (+3,48%), Brasília (+3,27%), Salvador (+2,96%), Belo Horizonte (+2,94%), Rio de Janeiro (+0,77%) e Fortaleza (+0,59%). Na contramão, Porto Alegre (-2,58%), São Paulo (-1,91%), e Goiânia (-0,89%), os preços recuaram entre janeiro e junho de 2021.

Leia também: Aluguéis com vencimento em julho serão reajustados em 35,75%

Entre as cidades do interior, os destaques ficam por conta dos saltos de preços em São José (SC), São José dos Campos (SP), Guarulhos (SP) e Praia Grande (SP), com altas de, respectivamente, 14,17%, 8,22%, 8,07% e 5,81% no período.  Por outro lado, as maiores baixas foram computadas em Campinas (-3,97%) e São José do Rio Preto (-3,78%).

Últimas