Coronavírus

Economia Ao menos 1,4 milhão deixam de sacar e perdem auxílio emergencial

Ao menos 1,4 milhão deixam de sacar e perdem auxílio emergencial

Com isso, segundo o Ministério da Cidadania, R$ 1,3 bilhão que deixaram de ser regatados foram devolvidos aos cofres da União

  • Economia | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Quase 1,5 milhão de brasileiros não sacaram o auxílio emergencial e perderam o benefício
  • No total, R$ 1,3 bilhão ficaram sem movimentação e, por isso, voltaram aos cofres públicos
  • Governo federal já encerrou o programa, que começou em abril e beneficiou 67,9 milhões
  • No Congresso, já existem pelo menos nove projetos para retomar o benefício em 2021
Deixaram ser resgatados R$ 1,3 bilhão do auxílio emergencial

Deixaram ser resgatados R$ 1,3 bilhão do auxílio emergencial

LUIS LIMA JR/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO-26/01/2021

Pelo menos 1,4 milhão de pessoas que receberam o auxílio emergencial não movimentaram o benefício depositado em suas contas digitais dentro do prazo determinado por decreto que regulamentou o recurso. Com isso, segundo o Ministério da Cidadania, até o momento R$ 1,3 bilhão deixaram de ser utilizados e foram devolvidos aos cofres da União.

Leia também: Em documento, Lira e Pacheco defendem retorno do auxílio

Segundo a Caixa, os valores creditados na conta poupança digital e não movimentados no prazo de 90 dias, no caso do auxílio emergencial, ou 270 dias, no caso do auxílio emergencial extensão, são devolvidos à União. Para o público que faz parte do Programa Bolsa Família, as parcelas têm validade de 270 dias.

O governo federal já encerrou o programa que começou em abril e beneficiou 67,9 milhões de pessoas, com R$ 294 bilhões, principalmente trabalhadores informais e população de baixa renda, para minimizar os efeitos da pandemia de coronavírus.

Mesmo com o fim do programa de auxílio emergencial, a Caixa informou que manterá as contas digitais, "considerando a importância do processo de bancarização para o Brasil".

Fim do benefício

O fim do benefício é uma das grandes preocupações por causa do impacto que pode provocar na economia, já que a pandemia de covid-19 deve se estender, provavelmente, nos próximos meses até a intensificação da vacina.

O governo cogitou lançar um novo programa que englobaria beneficiários do auxílio e do Bolsa Família, mas não saiu do papel. Também desitiu de prorrogar o pagamento, argumentando que o país tem uma capacidade de endividamento e não pode desequilibrar as contas públicas. Uma possibilidade será a ampliação do número de pessoas assistidas pelo Bolsa Família.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que seu governo vai respeitar o teto de despesas e descartou a prorrogação do auxílio emergencial. Mas pressão política e econômica, com a escalada dos casos de covid-19 após as festas de fim de ano, pode fazer o governo apresentar proposta atrelada ao controle de gastos.

Apesar das resistências, o Ministério da Economia já discute a possibilidade, mas desde que tenha um acordo com o Congresso para aprovação rápida de medidas de corte de gastos. A decisão deve ser tomada com diálgo entre o novo comando da Câmara e do Senado e a equipe econômica do governo.

No Congresso, já há pelo menos nove projetos para estender o benefício até que a situação da covid-19 seja controlada no país.

Últimas