Arrecadação de impostos tem pior abril desde início da série histórica

Pandemia de coronavírus contribuiu para uma queda real de 28,95% em abril, a R$ 101,154 bilhões em comparação com o mesmo mês em 2019

Pior desempenho para meses de abril desde 2007

Pior desempenho para meses de abril desde 2007

Pixabay

Sob efeito da pandemia do novo coronavírus, a arrecadação de impostos e contribuições federais teve forte queda em abril, quando somou R$ 101,154 bilhões, um recuo real (já descontada a inflação) de 28,95% na comparação com igual mês de 2019. Em relação a março deste ano, houve queda de 7,52%. O valor arrecadado foi o pior desempenho para meses de abril da série disponibilizada pela Receita Federal, que teve início em 2007.

Leia mais: Bolsonaro anuncia sanção de projeto e discute ajuda a Estados

Em função da crise com o coronavírus, o governo possibilitou o atraso no pagamento de uma série de tributos para dar alívio de caixa às empresas e famílias. Segundo a Receita, esse diferimento teve um impacto de R$ 35,111 bilhões nas contas de abril. 

A redução do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) sobre as operações de crédito, outra medida tomada no âmbito do enfrentamento à crise, respondeu por uma diminuição de R$ 1,567 bilhão na arrecadação

O resultado veio acima da mediana das expectativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, do sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, calculada em R$ 99,350 bilhões, e dentro do intervalo das previsões, de R$ 84,100 bilhões a R$ 129,900 bilhões.

No ano, a arrecadação federal somou R$ 502,293 bilhões, o pior desempenho para o período desde 2017. O montante ainda representa recuo de 7,45% na comparação com igual período do ano passado.