Economia Atacado pressiona com força e IGP-DI acelera alta a 2,91% em janeiro, diz FGV

Atacado pressiona com força e IGP-DI acelera alta a 2,91% em janeiro, diz FGV

MACRO-INFLACAO-IGPDI:Atacado pressiona com força e IGP-DI acelera alta a 2,91% em janeiro, diz FGV

Reuters - Economia

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - Os preços no atacado pressionaram com força e o Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) iniciou 2021 acelerando a alta em janeiro a 2,91%, de 0,76% no mês anterior, informou nesta sexta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O resultado ficou acima da expectativa de alta de 2,74% em pesquisa da Reuters.

Com isso, o índice acumula avanço de 26,55% em 12 meses, o maior patamar desde junho de 2003, quando a alta foi de 26,94%.

No primeiro mês do ano, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI), que responde por 60% do indicador, disparou 3,92% depois de alta de 0,68% em dezembro.

As matérias-primas brutas tiveram no mês um salto de 7,29%, depois de terem recuado 0,81% em dezembro. Os destaques para esse resultado foram os itens soja em grão (-12,72% para 6,49%), milho em grão (-6,77% para 8,34%) e minério de ferro (13,32% para 16,69%).

Também contribuiu para o resultado do IPA o avanço de 2,88% em janeiro dos bens intermediários, de alta de 1,60% no mês anterior, sob o peso de materiais e componentes para a manufatura.

Para o consumidor a alta dos preços arrefeceu, uma vez que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) --que responde por 30% do IGP-DI-- subiu 0,27% em janeiro, de 1,07% no mês anterior.

Entre os destaques, o custo de Habitação passou a cair 1,16% em janeiro de alta de 2,87% antes, enquanto a alta de Alimentação enfraqueceu de 1,47% para 1,24%.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), por sua vez, registrou em janeiro alta de 0,89%, de 0,70% em dezembro.

O IGP-DI é usado como referência para correções de preços e valores contratuais. Também é diretamente empregado no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) e das contas nacionais em geral.

Últimas