Economia Banco Central dos EUA vê desemprego em alta por dois anos

Banco Central dos EUA vê desemprego em alta por dois anos

Jerome Powell, presidente da instituição, acredita que setores ligados ao entretenimento, cultura e turismo terão mais dificuldades

Agência Estado
Powell prevê 'idas e vindas' no combate à covid-19

Powell prevê 'idas e vindas' no combate à covid-19

Tasos Katopodis/Pool via REUTERS 30/06/2020

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, afirmou que "ainda há uma economia saudável", nos Estados Unidos, mas com a exceção do segmento afetado diretamente pela covid-19. "Se conseguirmos manter a doença sob controle, o restante da economia pode se recuperar relativamente rápido", comentou, durante o simpósio virtual de Jackson Hole, ao responder a questões depois de discurso.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

Powell destacou, contudo, que há um segmento da economia - "que envolve reunir as pessoas, alimentá-las, fazê-las voar pelo país dormir em hotéis, entretê-las" - que terá "muita dificuldade para se recuperar". "São muitos trabalhadores, milhões de pessoas que realmente estão com dificuldade para encontrar emprego", disse. "Nós temos de apoiar essas pessoas e ajudá-las a voltar a suas vidas no trabalho."

O presidente do Fed previu que a crise da covid-19 será superada "talvez com idas de vindas". Durante cerca de dois anos, porém, o desemprego deve seguir "relativamente alto", advertiu, com as pessoas nesses setores citados com dificuldade para encontrar trabalho.

Segundo Powell, a recuperação econômica em maio e junho nos EUA "veio mais cedo e mais forte do que o esperado", por isso há "muita força na economia".

Ele destacou a natureza singular da crise atual, na qual os EUA vinham em um quadro econômico forte, freado pela pandemia e pela necessidade de conter a disseminação do vírus.

Últimas