Economia Bares e restaurantes reabrem neste sábado das 11h às 19h em SP

Bares e restaurantes reabrem neste sábado das 11h às 19h em SP

Segundo associação do setor, 20% dos estabelecimentos não devem reabrir; só será permitido funcionar com 20% da capacidade

Restaurante Casa do Porco, que reabre amanhã no centro de São Paulo

Restaurante Casa do Porco, que reabre amanhã no centro de São Paulo

Reprodução/Instagram

Os bares e restaurantes de São Paulo reabrem neste sábado (24), após quase dois meses fechados para o atendimento presencial. Os estabelecimentos vão poder funcionar das 11h às 19h, com 20% da capacidade. Mas a Abrasel-SP (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) afirma que as atuais restrições do Plano São Paulo impedem o setor de alimentação fora do lar de se recuperar.

Segundo a associação, o faturamento previsto para os restaurantes com atendimento presencial durante este fim de semana não ultrapassará 25% do total de antes da pandemia, inferior até mesmo ao atual obtido via delivery, porque as medidas inviabilizam a operação do jantar.

A Abrasel SP avalia que 20% dos restaurantes da capital vão preferir não abrir nesta fase,
devido à limitação de ocupação de 25%, principalmente os de pequeno porte, já que o permitido
pode significar somente a disponibilidade de até 3 mesas, o que não vale a pena por causa dos custos necessários para a abertura, como insumos e mão de obra extra.

“A entidade continua insistindo com o governo de São Paulo, que os restaurantes não representam perigo de contaminação, são os estabelecimentos que mais cumprem protocolos de segurança, e, com isso, poderiam ter mais flexibilidade de horário, com atendimento até as 22h, ocupação de 40%, além da liberação da abertura de bares e pizzarias", afirma Joaquim Saraiva de Almeida, presidente da Abrasel-SP.

Na semana passada, a associação enviou ofício para o governo, solicitando mudanças, mas não teve nenhuma posição. "Na cidade de São Paulo já fecharam 12 mil estabelecimento em definitivo, e no estado cerca de 50 mil, nosso setor necessita de auxílio efetivo do governo urgente”, explica.

Últimas