Economia Barômetro Global Coincidente da FGV cai em abril a menor nível desde maio de 2009

Barômetro Global Coincidente da FGV cai em abril a menor nível desde maio de 2009

O impacto negativo da epidemia do novo coronavírus aumentou e se espalhou para além da Ásia, mostram os dados de abril do Barômetro Coincidente e do Barômetro Antecedente da Economia Global, indicadores da Fundação Getulio Vargas (FGV) que chegaram ao segundo mês de divulgação. Nesta quarta-feira, 8, a FGV informou que o Barômetro Global Coincidente caiu 8,5 pontos em abril ante março, para 69,4 pontos, menor nível desde maio de 2009. Já o Barômetro Global Antecedente recuou 12,5 pontos, para 74,4 pontos em abril.

Segundo a FGV, os resultados mostram que a disseminação da covid-19 para fora da região asiática "fez com que a crise de saúde abalasse economias de todos os continentes".

"O impacto da pandemia sobre a economia mundial chama a atenção não só pela sua extensão, mas também por sua ampla disseminação regional e setorial, todos sem precedentes na série histórica dos indicadores antecedente e coincidente do Barômetro. Além desses aspectos, a velocidade da crise também impressiona, na medida em que as inflexões nos indicadores antecedente e coincidente são virtualmente simultâneas", diz a nota divulgada pela FGV.

Os dois novos indicadores são produzidos pelo Instituto Brasileiro de Economia FGV (Ibre/FGV) em colaboração com o Instituto Econômico Suíço KOF da ETH Zurique.

O cálculo dos dois Barômetros inclui a seleção de variáveis, em que são usados como critério a correlação das séries com a de referência (PIB mundial).

Ambos compreendem os resultados de pesquisas de tendências econômicas realizadas em mais de 50 países. O Barômetro Coincidente inclui mais de 1.000 séries temporais diferentes, enquanto o Barômetro Antecedente possui mais de 600 séries temporais.

Últimas