BC está 'relativamente tranquilo' com inflação, diz Campos Neto

Presidente do BC afirma que não se pode olhar apenas para a inflação de curto prazo e lembra que o índice era relativamente baixo há quatro meses

  • Economia | Do R7, com Reuters

audima
'Estamos acompanhando processo', disse Campos Neto
Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira (25) que o horizonte da autoridade monetária é sempre mais longo para analisar a inflação, pontuando que a autoridade monetária está vigilante quanto ao aumento de preços na economia, mas ainda tranquilo.

"Temos dito que estamos relativamente tranquilos, estamos acompanhando processo", comentou Campos Neto, em evento organizado pelo Sicoob Engecred.

Leia mais: Prévia da inflação tem maior patamar para novembro em 5 anos

Arroz, batata e carne estão caros? Confira opções para mudar o cardápio

Ele reforçou que o BC não pode olhar a inflação de curto prazo e disse que há quatro meses, por exemplo, a autarquia estava recebendo enxurrada de críticas no sentido de que deveria ter reduzido mais os juros básicos já que o cenário de inflação era outro.

Publicidade

Ambiente fiscal

Campos Neto também voltou a ressaltar a necessidade de o país voltar para a disciplina fiscal no pós-pandemia, já que o problema principal do Brasil agora é "dívida grande para administrar". "Ponto superimportante, talvez ponto chave, é conquistar credibilidade com continuação das reformas e com plano que indique clara percepção para investidores que país está preocupado com trajetória da dívida", disse ele.

O presidente do BC, que tem falado repetidamente sobre o tema em eventos públicos, destacou que a curva de juros doméstica é hoje uma das mais inclinadas do mundo, o que demonstra incerteza quanto ao quadro fiscal à frente.

Nesse sentido, ele reconheceu que os agentes estão ansiosos sobre eventual extensão do programa de auxílio emergencial ou não. Campos Neto, contudo, disse que a visão do BC é semelhante à externada pelo secretário do Tesouro, Bruno Funchal, na terça-feira: há muito pouco ou zero espaço para qualquer tipo de medida fiscal.

Ir para versão mobile