BC pedirá ao Congresso carta branca para compra direta de crédito, nos moldes do Fed

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O governo irá propor ao Congresso uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que autoriza o Banco Central a comprar diretamente crédito em cenários de crise, afirmou o presidente do BC, Roberto Campos Neto, o que aumentará exponencialmente o poder de fogo da autarquia para estabilizar o mercado frente aos desafios econômicos com o coronavírus.

Pela legislação vigente, o BC não pode comprar ativos financeiros, públicos ou privados, no âmbito dos mercados financeiro e de capitais.

Caso ganhe carta branca dos parlamentares para tanto, a autoridade monetária poderá se alinhar a outros países no mundo, que estão anunciando programas vultosos para apoiar o crédito a famílias, pequenas empresas e grandes empregadores.

Em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto nesta sexta-feira, Campos Neto argumentou que a iniciativa é "muito potente" para estabilizar o mercado de crédito onde as instituições financeiras "não chegam".

"Essa é uma medida que tem largo alcance, o balanço do Banco Central é enorme, tem mais de 1,5 trilhão (de reais). Então essa é uma medida muito importante para estabilizar o crédito", afirmou Campos Neto.

"É uma medida que só vai poder ser acionada em cenários de crise, como o que nós estamos vivendo hoje. A ideia não é que o Banco Central tenha sempre essa autonomia", completou.

Em movimento que injetou ânimo aos mercados globais nesta semana, o Federal Reserve, BC dos Estados Unidos, anunciou ações históricas nesse sentido, incluindo compra de bônus corporativos e financiamentos diretos a empresas.

Sob os novos programas, o Fed também concederá empréstimos para estudantes, empréstimos com cartão de crédito e empréstimos garantidos pelo governo dos EUA a pequenas empresas. Adicionalmente, comprará títulos de empregadores maiores e fará empréstimos a eles.

Nesta sexta-feira, Campos Neto afirmou que a medida que está em elaboração permitirá que BC atue como o Fed.

"Hoje em dia o Banco Central brasileiro não tem essa capacidade, o máximo que ele pode fazer é injetar liquidez no sistema. Obviamente, numa situação conturbada como a que nós estamos, nem sempre a liquidez chega na ponta final", afirmou.

Ainda na véspera, o presidente do BC havia dito em coletiva de imprensa que a autoridade monetária não tinha ferramentas para a compra direta de dívidas de empresas e que, por isso, o canal de intervenção e atuação era sempre via sistema bancário.

None

(Por Marcela Ayres)